Michael Grey - Gangrel Urbano - Sabá

Ir em baixo

Michael Grey - Gangrel Urbano - Sabá

Mensagem por No One em Qua Out 13, 2010 6:45 pm

Nome: Mike
Personagem: Michael Grey
Clã: Gangrel Urbano - Sabá
Natureza: Sobrevivente
Comportamento: Solitário
Geração: 11º
Refugio: Oasís
Conceito: Peregrino

Experiência:

ATRIBUTOS (7 - 5 - 3)

Físicos
- Força: 2
- Destreza: 4 (Reflexos Rapidos)
- Vigor: 4 (Resistente)

Sociais
- Carisma: 2
- Manipulação: 1
- Aparência: 3

Mentais
- Percepção: 3
- Inteligência: 2
- Raciocínio: 3


HABILIDADES (13 - 9 - 5)

Talentos
- Prontidão: 3
- Esportes: 1
- Briga: 3
- Esquiva: 3
- Empatia:
- Expressão:
- Intimidação:
- Liderança:
- Manha: 2
- Lábia: 1

Perícias
- Empatia c/ Animais:
- Ofícios:
- Condução: 1
- Etiqueta: 1
- Armas de Fogo:
- Armas Brancas:
- Performance:
- Segurança: 1
- Furtividade: 3
- Sobrevivência: 3

Conhecimentos
- Acadêmicos: 1
- Computador:
- Finanças:
- Investigação: 2
- Direito:
- Lingüística:
- Medicina:
- Ocultismo: 2
- Política:
- Ciências:

VANTAGENS

Antecedentes (0)
Geração: 2
---------------

DISCIPLINAS(4)
Metamorfose: 2
Ofuscação: 1
Rapidez: 1
-------------

Virtudes (5)
- Consciência ou Convicção: 1
- Autocontrole ou Instinto: 1
- Coragem: 4

HUMANIDADE: 2
FORÇA DE VONTADE: 4

QUALIDADES
Existencia Abençoada (5 pontos de Qualidade)
Inofensivo para Animais (1 pont de Qualidade)
Racionalmente Frio (1 ponto de Qualidade)
Voz Encantadora (2 pontos de Qualidade)
Noção do Perigo (2 pontos de Qualidade)
Audição Aguçada (1 ponto de Qualidade)
Olfato Aguçado (1 ponto de Qualidade)
Ambidestro (1 ponto de Qualidade)
Viajante (1 ponto de Qualidade)
Sorte (3 pontos de Qualidade)
Concentração (1 ponto de qualidade)
Bad Boy (1 ponto de qualidade)

DEFEITOS
Vitae Infertil (5 pontos de Defeito)
Cabeça Quente (2 pontos de Defeito)

OBS:
Idade: 25
Idade Aparente: 25
Nascimento: 1963
Morte: 1988
Cabelos: Encaracolados
Olhos: Castanho escuro/Amarelos
Nacionalidade: Americano
Altura: 1.89
Peso: 75kg
Sexo: Masculino
Aparencia: foto

PRELÚDIO

Michael Grey nasceu em 1963, cidade do Bronx, New York. Passou a maior parte da sua infancia com sua avó materna pois seu pai havia sido preso antes mesmo dele nascer e sua mãe trabalhava em horario integral como lavadeira. A renda sempre foi pouca mais nunca faltou comida. Sua avó, que era aposentada recebia uma pequena pensão onde quase tudo era gasto em remedios. Com dificuldades financeiras, Michael sempre estudou em colegio publico, era um bom aluno, prestava atenção nas aulas e se mais se relecionava pouco com os colegas de classe. Sempre fez o jeitão calado e quieto. Talvez devido a seu temperamento forte e sua falta de paciência. Nunca fora um adolescente problematico ou brigão mas não levava desaforo para a casa.

Quando Michael terminou o colegial era seu sonho entrar para uma boa faculdade e assim seguir a vida. Tinha noção de que sua avó não aguentaria por muito tempo.Com o tempo o dinheiro começou a ficar pouco para os remedios e então a unica saida foi arrumar um emprego provisório. Com sua idade e com pouca experiencia no ramo, Michael acabou arrumando um trabalho em uma lanchonete perto de casa, o dinheiro não era bom mais já fazia uma diferença. Com pouco tempo de trabalho ele já demonstrava uma certa habilidade manual com as coisas, era de sua natureza ter uma determinada habilidade com ambas as mãos e por isso, por esse destreza ele tinha sido promovido. O aumento vinha a calhar mais ainda era pouco para tantos remedios e despesas. Após algum tempo sua avó veio a falecer. Michael bancou o enterro e continuou morando no apartamento em que ele morava com sua avó, o cheiro e o aconchego do lar fazia com que ele não sentisse tanta falta dela.

Depois de alguns meses após o incidente, Michael foi despejado do apatarmento por não pagar o aluguel. Recorria a sua mãe que não morava muito longe. Ao chegar em casa, via a porta entreaberta, ao entrar procurava pela mãe e ao ve-la no quarto transando com um homem, Michael perdia a cabeça e partia para cima do sujeito com socos, chutes e joelhadas. Michael o expulsava porta a fora e falava para nunca mais voltar... Sua mãe, assustada o mandava ir embora também, esbravejava para ele ir embora e nunca mais procura-lá... Revoltado com a atitude de sua mãe, desferia um tapa em seu rosto e ia embora.

A noite caia, Michael já estava andando sem rumo por algumas horas e a fome junto com o cansaço começava a bater. O tempo não estava ajudando e logo começava uma pequena chuva o que fazia o garoto procurar algum abrigo. Encontrava um velho galpão perto do cais. Aparentemente não havia ninguém, Michael então decidia passar a noite por ali. Pegava alguns papelões no chão, juntava tudo em um canto e fazia uma pequena cama. Cansado e visilvemente desgastado o garoto não demorava a pegar no sono. Na manhã seguinte, a chuva se fazia presente junto com a fome que o garoto sentia. Se levantava e se dava conta de que estava realmente sozinho, teria que se virar para conseguir algum alimento depois que o dinheiro acabasse. Saia do galpão e procurava algum supermercado proximo. Achava um mercado pequeno e entrava no local, procurava por biscoitos, frutas, agua e mais algumas coisas. Quando estava na fila do caixa via um noticiario na TV que chamava sua atenção, a policia o estava procurando, a denuncia vinha de sua propria mãe por agressão. Assustado, Michael se mantinha calmo, abaixava o rosto e mantinha sua expressão inabalada... Sempre em que se envolveu em situações que lhe surpreendia, Michael nunca transparecia o que realmente sentia. Qualidade ou defeito? Para ele nesse momento era uma grande qualidade.

Saia do mercado apressado, olhava para os lados para se certificar de que ninguém estaria lhe seguindo e seguia para o galpão abandonado. A chuva caia mais forte e mais molhado o garoto ficava. Chegava no galpão tossindo, tremendo e com suspeitas de febre... Tirava as roupas molhadas e as pendurava em um varal improvisado, o frio fazia lhe tremer o queixo enquanto comia... Seria mais uma noite longa. No dia seguinte a chuva se fazia presente novamente, acordava tossindo, se sentia fraco e mal conseguia se levantar, puxava a roupa umida e se vestia, comia um pacote de biscoito e voltava a dormir novamente. Dormia durante toda a manha e mais uma parcela da tarde. O corpo doia e a tosse se intensificava, sem sombra de duvidas estava doente e precisava de remedios. Saia do galpão e procurava uma farmacia. Comprava varios xaropes e saia apressadamente, voltando para o galpão notava que alguma coisa estava estranha, pressentia que alguma coisa iria acontecer... Caminhava com cuidado enquanto bebia um vidro de xarope, se aproximava de onde estava dormindo e percebia que alguém tinha mexido em suas coisas, se ajoelhava e pegava o que sobrava, não podia mais ficar ali... Quando se levantava dava de cara com um grupo de mendigos, eram 3 no total. Ao olhar para cada um, sabia que não iria acabar bem, olhavam com um ar rispido para o rapaz que ficava imovel perante eles.

Mendigo 1 - Acho que você não vai ligar se nós pergarmos algumas coisinhas né?
Mendigo 2 - Mesmo que se importasse... Isso não faria diferença... Já pegamos mesmo. - risada
Michael - Não quero problema, peguem o que quiserem, eu já estou de saída.
Mendigo 3 - Queremos tudo cara, passa tudo ou você vai se ferrar com nós.
Michael - Acho que vocês já tem o suficiente... Repito, não quero confusão.
Mendigo 1 - Acho que você acabou encontrado xará!

Os mendigos cercavam Michael que impulsivamente atacava o que estava a sua frente, acertava dois socos que pegavam em cheio e fazia o mendigo cambalear para trás, os outros dois o seguravam pelo braço impossibilitando de qualquer ataque com os punhos. O mendigo que fora acertado passava a mão na boca limpando o pequeno sangramento, se aproximava de Michael e desferia socos pesados em seu estomogo e rosto, fazendo com que o garoto caisse no chão se remoendo de dores.

Mendigo 1 - Espero que tenha aprendido a lição seu moleque...
Mendigo 3 - Pena que não deu nem pra brincar.
Mendigo 1 - Vamos nessa, deixa ele ai... Vai morrer de qualquer jeito mesmo.

Os homens iam embora deixando Michael ferido e totalmente sem nada, levava tudo que o garoto tinha, dinheiro, o resto de comida e os frascos de xaropes. Machucado e totalmente sem saber o que fazer, Michael se deitava em cima dos papelões e lá ficava, relembrava os momentos de afeto com sua avó, lembrava de sua infancia inocente e seus momentos alegres. Não tinha amigo algum que pudesse recorrer, realmente estava sozinho e precisava se fortalecer para continuar vivo. Com dificuldades na respiração por causa dos golpes, mal conseguia se movimentar, passava a madrugada se remoendo e só conseguia dormir quando o sol raiava. Dormia durante horas e acordava em um lugar totalmente diferente, estava ainda em um galpão mais estava em um lugar que nunca tinha visto, ao virar a cabeça para o lado via um homem com cabelos grandes encaracolados, calças rasgadas e sujas com um sobretudo de couro desgastado mechendo em algumas coisa na qual não conseguia identificar. Sem forças, cedia ao sono novamente.

Acordava na noite seguinte com uma faixa enrrolada em suas costelas, sua gripe tinha passado como por milagre, não sentia nenhuma dor e nenhuma fraquesa... Somente uma pequena dor de cabeça. Se levantava devagar, procurava saber onde estava e por aquele que lhe tinha ajudado mas nada encontrava. Saia do local, tentando se situar, descia algumas escadas e via o lugar onde estava dormindo.

Michel - Passei varias noites aqui e nunca soube que estava acompanhado...

Caminhava pelo lugar procurando aquele que lhe tinha ajudado, não achava ninguém, nenhuma pista se não as que estavam naquela pequena sala. Notava que suas dores passavam com uma determinada rapidez e que seus movimentos se recuperavam com mais naturalidade. Estranhava tal fato, pois sua recuperação nunca tinha sido tão rapida assim. Ao voltar para a pequena sala no qual tinha acordado, encontrava o homem de cabelos grandes e roupas estranhas.

Michael - Mais como você veio parar aqui?
Tonny - Sou mais rapido do que voce pensa garoto. Venha, quero lhe falar algumas coisas - descia as escadas

Os dois se encaminhavam para fora do galpão, o homem dava ao garoto um agasalho e então tomava a liderança, lhe guiando para um caminho que daria em um beco e lá em um novo galpão. Chegando no novo lugar, Michael se sentia estranho, captava cheiros e barulhos que não conseguia identificar, conseguia escutar conversas mais não avistava ninguém a sua frente.

Tonny - Calma garoto, tudo será explicado em breve... E aposto que você irá curtir muito o que irei lhe mostrar.

Ao adentrar mais afundo no galpão, avistava mais pessoas, na verdade avistava dois homens de aparencia iguais e que pareciam esperar pelo homem que liderava. Se juntando ao grupo, o homem apresentava Michael e todos lhe davam boas vindas. Pareciam simpaticos e amistosos. Tonny se sentava no meio dos dois e começava um longo discurso. Começava com uma historia sobre familias, sobre o quanto eles eram parecidos e como eles seriam um grande grupo. Michael pouco entendia mais ficava calado, não era a dele entrar em grupos e muito menos com aqueles que ele mal conhecia. Tonny abria o jogo, falando que tinha salvado Michael naquela noite, se não o transformasse estaria morto neste momento. Michael sem entender, perguntava o que Tonny tinha feito e a respota tinha sido simples... Uma pequena amostra do que ele tinha acabado de se tornar, Tonny e os demais mostravam sua verdadeira imagem... Dentes pontiagudos, olhos de lobo e aparencia de diversos animais juntos assustavam o garoto, que dava alguns passos para trás.

Tonny - Não fuja, você é um de nós agora. Eu te dei a chance de se vingar de todos aqueles que lhe fizeram mal, de todos aqueles que te desrespeitaram, todos aqueles que, por algum meio, lhe machucaram... Somo uma familia agora, uma familia feroz e indomavel que obedecemos somente a uma organização... Somos Caçadore, Mike.

Todas aquelas palavras não faziam sentido para o garoto, estava assustado e não sabia em que acreditar. Dentes afiados, olhos de feras... Tudo aquilo que ele não acreditava existia e estava em sua frente, não somente um, mais tres deles. Confuso o garoto se ajoelhava, seus olhos permaneciam naqueles três seres sobrenaturais.

Michael - Me ensine a ser como vocês. Quero aprender tudo o que vocês sabem.

Tonny mexia a cabeça em tom positivo, sim, eles iriam lhe ajudar, iriam lhe tornar um Caçador. O treinamento começava naquela mesma hora, Tonny e os outros levava Michael para a sua primeira lição. Em um beco escuro se encontravam tres homens, os mesmos tres que na noite passada surraram o membro mais novo da familia. Tonny e mais um do bando chamado Albert lhe instruiam de como Michael deveria agir, falava rapidamente sobre os novos poderes que ele adquiria com a transformação, um deles seria a arma mais usada pelos Gangrel e logo o garoto descobriria o por que. Albert e Philip iam primeiro, matavam um e seguravaM o outro. Tonny e Michael se aproximavam, a raiva nos olhos do garoto podiam ser vistos de longe, Tonny virava o pescoço do mendigo e dizia em alto e bom tom.

Tonny - Essa é a hora de sua vingança, não tenha medo, siga os instintos que estão dentro de você e preste atenção em mim. Morda-o desta maneira, não vai esguichar tanto sangue, o que significa mais alimento para você e menos despedício.

Michel o fazia exatamente como Tonny demonstrava no outro mendigo. O vitae daquele mendigo lhe descia como um gosto suave e doce, energizando suas forças e aumentando seu vigor. A sensação nunca presenciada tinha um gosto em especial. Agora a par da principal regra, Michel, Tonny e Philip retornavam para o velho galpão, estava quando amanhecendo e eles precisavam descansar. Durante a caminhada, Tonny foi falando mais sobre os vampiros, acrescentou uma pequena introdução do que era o Sabá e prometera que levaria Michael para conhecer outros vampiros. Eles adormeciam todos juntos na pequena sala do galpão, Michael ainda confuso adormecia um pouco depois dos demais, sua mente revirava tudo aquilo que tinha acontecido com ele até o presente momento.

O dia ia embora dando lugar a mais uma noite. Todos acordavam ao mesmo tempo. Tonny, como lider da matilha tomava a frente e levava os demais para uma pequena caçada. Mais algumas lições eram passadas no decorrer do caminho e Michael cada vez mais estava ciente do que tinha se tornado, e aparentemente estava aceitando tudo como se isso fosse uma grande dadiva dada a ele. Após se alimenteram, Tonny guiava os demais para um outro beco e um outro galpão, esse não estava abandonado. Ao adentrar, era possivel ver varios grupos de Gangrel, a maioria era urbana mais era possivel ver alguns rurais isolados com seus animais pelos cantos. Para Michael, aquilo sera uma grande experiência e aprendizado. Tonny apresentava o mais novo integrante do bando para os demais que lhe comprimentavam e logo retomavam o assunto que estavam discutindo, todos estavam ali presentes pois foram convocados para uma reunião do Sabá. Com o cair da noite, mais vampiros iam chegando, vampiros de familias diferentes e de estilo diferentes. Tonny tirava todas as duvidas do cainita e ia explicando cada detalhe, dizia quais familias que cada vampiro pertencia, seus pontos fortes e fracos, lhe contava historia sobre o clã e Michael cada vez mais ia aprendendo.

Tonny - Michael, nós somos uma grande arma para o Sabá. Somos caçadores, somos letais cuja a nossa pericia na perseguição há uma presa é imbativel. Somos pau para toda obra, temos desde assassinos sutis quanto lutadores furioros, e a pericia com a qual eles enfrentam seus inimigos empresta uma força poderosa para a seita. Contudo não somos fanfarroes sadicos como os Brujah - apontava para alguns membros a direita - E sim, criaturas predatorias e instintivas que apreciam a emoção da caçada quase tanto quanto a furia intoxicante da alimentacão.


Michael escutava atento ao dizeres de Tonny. Era importante para ele compreender toda a historia sobre o clã e o quão diferente pode ser de um para outro. Além de um mentor extraordinario, Tonny estava sendo como uma figura paterna para Michael e tão sentimento era explicado por Philip, que por sua vez pedia a palavra para explicar o por que de tantos ensinamentos.

Philip - Michael, você é um de nós agora irmão. Nós, os Caçadores somos mais unidos do que quaisquer outros... Sabemos da importancia de vigiar as costas um dos outros durante as noites conturbadas. Tanto em cidades como em qualquer outro lugar abrigam perigos e um bando unido como o nosso tem muito mais chance do que um de nós sozinho. Imitamos os lobos, Mike, protegemos o nosso bando a qualquer custo.

Quando Michael saio daquele galpão ele já compreendia como era o novo das trevas. A reunião nada mais era do que uma apresentação formal de Michael ao mundo no qual ele agora fazia parte, todos os conheciam e ele conhecia todos. Participava de um dos bandos mais unidos que já havia se formando no Sabá, seu mentor, Tonny, era uma lenda entre os caçadores e sua fama percorria o mundo das trevas.

Com o passar dos anos, Michael foi se tornando cada vez mais um Caçador. Aumentava suas habilidades, ficara mais rapido, mais inteligente e mais perceptivo. Com as missões realizadas por Tonny e seu bando em nome do Sabá, Michael aprendera a lutar e destruir outros vampiros, aprendera a usar a escuridão em seu pleno favor. O bando era nomade, então sempre viajavam de uma cidade para outra, paravam em galpões abandonados ou lugares comunitarios onde o Sabá controlova. Com tantas viajens e com perigos por toda a parte, Michael ficara reponsavel por planejar um plano de fuga caso algo desse errado. Com isso, ele adquiriu uma grande qualidade, em toda nova cidade em que ele conhcia, ele formava rotas seguras de fuga, procurava por abrigos seguros em determinados lugares e sabia se movimentar pela cidade sem encontrar lupinos ou qualquer outras surpresas desagradaveis.

Em 2007, o bando recebia uma missão direta do Bispo do Texas, a missão parecia simples se não fosse uma armadilha. O Bispo do Texas tinha uma rixa pessoal com Tonny, sabendo disso, o lider do bando proibiu que Michael fosse com eles. Apezar de não concordar e querer participar, Michael fazia o que era lhe pedido, ficava no abrigo improvisado impaciente e ansioso por noticias. Passava-se duas horas e nada, tres horas e nada até que o celular tocou e Michael atendeu... Era Philip:

Philip - Mike, foi como Tonny previu cara, foi uma armadilha!Estamos indo para o Complexo Industrial...
Michael - Mais o Complexo é onde o Bispo está... O que vocês vão fazer?
Philip - Não importa o que iremos fazer cara, o Tonny mandou você se mandar o mais rapido possivel. Siga para New York, lá você estará seguro. Foi bom te conhecer, Mike.

Assim que Philip se despedia era possivel escutar uma grande explosão e logo depois a chamada caia. Não precisava ser nenhum Einstein para entender o que aconteceu. Michael fazia aquilo que fora aconselhado, usava uma das rotas de fuga que tinha planejado e caia fora do Texas o mais rapido possivel. Seguia para New York, onde sua vida recomeçaria novamante. Foram 2 dias de viajem até chegar onde queria, se instalou em um Oasís por um tempo indeterminado. Por precaução, ele fazia suas rotas de fuga, pesquisava por abrigos seguros e analisava cada parte do da região... Em apenas 2 dias, Michael já sabia por onde poderia andar e onde poderia caçar sem nenhum problema. O problema agora é que precisva se manter oculto, logo, logo a noticia da explosão já estaria nas ruas e isso poderia acarretar alguns problemas para o mais novo solitario Caçador.

Os dias foram se passando e ninguém comentava o que tinha acontecido, poucos sabiam dos acontecimentos e menos eram aqueles que sabiam os motivos da explosão e da morte do Bispo. Quanto menos comentarios se ouvia, mais tranquilo Michael ficava... Estava na hora de se apresentar ao Bispo da nova cidade e oferecer seus serviços a Seita. Passava-se 2 semanas e o assunto já estava morto e enterrado, ninguém mais falava sobre o acontecimento e era hora de uma apresentação, Michael temia que cedo ou tarde alguém lhe cobrasse alguma coisa. Sendo assim, tomava coragem e ia a um encontro onde o Bispo reuniria seus pequenos assassinos para anunciar algo de suma importancia. O novo e solitario Caçador se fazia presente e após o anuncio se aproximava amigavelmente do Bispo e se apresentava.

Michael - Sou Micheal Grey. Sou um Gangrel Urbano e usarei minhas habilidades para melhor servi-lo Senhor...

Após três anos, Michael segue sozinho. Sempre entre as sombras e atento aos acontecimentos ele se mantém a serviço do Sabá somente para não levantar suspeitas. Pouco liga para os conflitos da Seita. Sua unica ambição até o presente momento é sobreviver o máximo possível, seja sozinho ou em grupo. Faz um jeito solitario mais sabe que em suas chances aumentam consideravalmente quando esta em grupo e por isso nunca nega o convite. Por manter um estilo errante é dificil de se manter contatos ou até alguns aliados.
avatar
No One

Data de inscrição : 18/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum