Rastros de Insanidade

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Rastros de Insanidade

Mensagem por George Nickson em Dom Abr 09, 2017 2:12 pm

Nova York, West Bronx 01:31am, 04 de março de 2017.



A noite estava fria, o inverno terminaria em pouco tempo, mas uma nevasca atingira a cidade na noite anterior e agora a neve começava a se transformar em lama dificultando a locomoção. O Príncipe Calebros caminhava numa praça na Gran Concourse em West Bronx, era um bairro residencial e a praça ficava entre dois prédios, um deles de um azul claro muito chamativo. Havia poucas árvores no local e todas estavam sem folhas cobertas de neve e gelo. Havia uma em particular no extremo leste da praça e pra lá que ele se dirigiu, onde um homem que parecia estar na casa dos 50 anos o esperava, seu cabelo começando a rarear já estava completamente branco e o sobretudo marrom que usava parecia desgastado.

_ O que tem pra mim
? - sua voz era grossa e limpa e a medida que falava não se via a típica fumaça provocada pela respiração quente em ambientes frios.

_ É o quarto esse mês. Mas agora temos um problema em mãos. Já tem gente se perguntando se não vamos retalhar o Sabbath. - A voz erra carregada de um sotaque sulista, mas em momento algum desviou os olhos para falar com o Príncipe.

_ Vou precisar que chame o conselho o mais rápido possível.

_ Mais uma coisa, detivemos Agatha.

_ Acha que ela tem algo a ver com isso
? - pela primeira vez o semblante do Príncipe demonstrou preocupação.

_ Não temos certeza, acolhê-la foi um erro, eu te falei isso antes e volto a repetir, deveria expulsá-la.

_ Isso só dará força aos boatos.

O Nosferatu olhou mais uma vez o corpo estendido na neve. Ainda era capaz de distinguir o nariz levemente quebrado e o cabelo encaracolado, mas agora estava grisalhos, a pele murcha e os olhos opacos vidrados em expressão de terror. O xerife August fora respeitado e fazia um excelente trabalho mantendo os cainitas nos eixos.

_ Tem certeza que ele está morto
? Então por que seu corpo ainda não se desfez?


_ Ainda não sei, mas já avisei Margareth, ela vai levar o corpo a Capela para examinar, seja lá o que for, melhor escondermos ele antes que alguém descubra.


Ao longo do último mês, contando com August, 4 corpos foram encontrados nas mesmas circunstâncias, até então não era interessante começar uma investigação, mas agora não havia jeito, o alto escalão da Camarilla começava a sofrer os efeitos do que quer que estivesse acontecendo deixando a cidade a mercê de uma possível guerra entre seitas e Calebros sabia disso. Sua administração havia sido pacífica até então, mas ele estava as portas de uma guerra que parecia estar pedindo pra acontecer.
avatar
George Nickson

Data de inscrição : 13/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por George Nickson em Dom Abr 09, 2017 2:22 pm

SAMUEL HAWKINS
Nova York fora a casa de Samuel por longos anos, muitos deles torturantes e um passado do qual o Nosferatu detestaria relembrar, mas ali estava ele de volta. Quando deixara a velha cidade pra trás e fora para Las Vegas alguns do bando ficaram na esperança de que dias melhores chegariam para o clã. No fim tiveram razão, Calebros assumira como Príncipe, um Nosferatu pouco conhecido rodeado de mistérios, mas havia levantado apoio suficiente para assumir o cargo e com ele dias melhores para o clã.

Os esgotos continuavam a mesma coisa, exceto por um simples fato, havia, em meio aos seus, um clima de calmaria, mas não aquela calmaria que o soldado anseia em tempos de paz, ou que o jovem casal busca para iniciar os preparativos para o casamento, uma calmaria onde o ar torna-se pesado e os humores estão tensos, a calmaria que se sente ante a tempestade capaz de afundar robustos navios.

Hawkis encontrava-se no seu antigo refúgio subterrâneo, uma espécie de antecâmara formada para aguentar as grandes chuvas, mas abandonada devido a reformulação dos projetos pluviais da prefeitura ainda nos anos de 1980.
avatar
George Nickson

Data de inscrição : 13/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Krauzer em Seg Abr 10, 2017 6:42 pm

SAMUEL HAWKINS


________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


Samuel acordava em um ambiente frio, úmido e escuro. Seus olhos se abriam, e ele esperava por alguns instantes até que eles se acostumassem. Ao se levantar, seus longos dedos de garras tocavam o chão e as paredes, onde resvalavam em sua umidade. Ele já estava acostumado, há tempos este tinha sido seu refúgio, bem como o refúgio de sua espécie por eras.
Tempos difíceis haviam se passado, agora a cidade de Nova York estava salva (ao menos por enquanto), e as relações de Samuel com seu clã voltavam ao normal. Ele percebe que suas roupas já estavam começando a mofar devido ao ambiente, isso não era um problema no subsolo, mas na superfície a história era outra. Ele porém, não pretendia subir no momento, e sim se encontrar com os membros de seu clã para saber quais eram as novas, o que estava rolando na Grande Maçã, trocar algumas ideias, e segue pelos túneis em direção ao refúgio comunal de seu clã.
Seguindo por túneis labirínticos cujo caminho ele conhecia bem, passando por poças de lodo, túneis apertados, e águas paradas na altura dos joelhos, ele ia em procura de seus companheiros ratos de esgoto.
avatar
Krauzer

Data de inscrição : 29/10/2013
Idade : 46

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por George Nickson em Qua Abr 12, 2017 12:21 am

IAN BAXT

O Ravno encontrava-se sentado a luz de um velho bar, observava o copo de cerveja que fora colocado a sua frente, mas ele não a beberia, sabia que não podia. O bar era simples no interior do Harlem, possuía seis mesas na calçada com dois acentos cada e mais umas 7 no interior pelo que pôde notar. Fazia frio e a neve se acumulava do lado de fora forçando os clientes a se espremerem no interior deixando todas as mesas ocupadas e mais alguns clientes que resolveram permanecer em pé enquanto participavam de conversas acaloradas.

O balcão ficava  na parede oposta a entrada onde um barman negro, cabelos raspados e um avental desgastado pelo excesso de lavagem passava com mãos hábeis copos de bebidas para os clientes. Uma televisão passava o superbowl deixando alguns dos clientes eufóricos.

Ian estava sozinho, não via Panush há alguns dias e não tivera contato com o grupo Phoenix desde que fora mandado a cidade. Ao depor o Justicar Malkaviano o grupo fora contratado e Rakhi enviado para o serviço na grande cidade. Isso fazia quase um mês e nenhuma notícia fora recebida desde então.

Baxt fora enviado para encontrá-lo, conhecia Pakhi, ele era eficiente de uma forma honesta e muito zeloso nos seus afazeres tendendo ao perfeccionismo, isso significava entrar em contato com algum membro do Phoenix seja para finalizar o trabalho, seja para reportar problemas. O bar seria um ponto de encontro com Jayani, uma Ravno que deveria auxiliá-lo, mas que o deixara esperando.

MALIKA DE LOS ANJOS

A pobre mulher andava pelo salão fortemente decorado do Elísio no melhor estilo vitoriano. Apesar de não ser uma mansão vitoriana e sim o décimo terceiro andar de um prédio no centro da Manhattan, o local era decorado no estilo ao gosto do novo Príncipe, Calebros, um Nosferatu aficionado por história, em especial o século XIX americano.

O salão possuía alguns vitrais que mostravam cenas de uma guerra antiga, Malika não saberia dizer ao certo a que período pertencia, mas tinha quase certeza que retratavam a guerra civil norte-americana, uma das poucas coisas não mudadas na redecoração do lugar.

As janelas eram voltadas para o lado oeste claramente se opondo ao nascer do sol, mas era noite e nela podia se ver um céu estrelado que ignorava ferozmente a nevasca que produzira na noite anterior.

O salão não estava muito movimentado, na verdade além da Malkaviano haviam apenas mais 4 pessoas presentes, todas as quatro conversando entre si no lado oposto do salão claramente ignorando ou apenas não percebendo a presença da cainita.

Carmem a deixara ali sem qualquer indicação do que deveria fazer e saiu a pedido do príncipe para fazer sabe-se lá o que. Malika fora deixada as escuras.

MAVERICK VIPER

A noite havia começava agitada, um ecoar de vozes sussurrantes falavam de uma guerra que se aproximava. A capela de Nova York era um lugar prático, não havia livros, não que pudessem ser vistos, mas se soubessem a quem pedir, um homem velho, na casa dos 60 anos, mas de uma mente altamente perspicaz conhecido como Bibliotecário, arranjaria o que você precisasse. Claro se houvesse permissão para acessar o conteúdo do livro. O prédio se situava ao sul do Central Park, um local privilegiado com uma bela vista apesar das janelas serem vedadas e blindadas nos 7 andares ocupados pelo clã Tremere em um prédio com quase 100 andares. Ainda assim a maioria dos membros só tinham acesso a dois andares, uma sala de leitura na qual um silêncio espectral reinava e um salão de interação onde os membros tinham liberdade para conversar desde que não elevassem a voz a ponto de incomodar o Vigia, outro membro da capela com função desconhecida, mas que em algum momento tornou-se dono do salão expulsando quem quebrasse a regra do tom de voz. Este um homem asiático na casa dos 40 anos, cabelo começando a ficar branco e um corpo relativamente magro para seus 1,70.

Aquela noite o Vigia não se incomodou quando os sussurros viraram balburdia, os boatos se justificavam e muita gente parecia apreensiva. Mais cedo, antes de Maverick chegar a capela a regente Eleanor trouxera o que parecia ser um corpo dentro de um saco preto e se escondeu em um dos andares inacessíveis obrigando até mesmo a quem tinha acesso a ele a sair imediatamente ficando só ela, o Príncipe Calebros e mais duas pessoas da qual desconhecia a identidade. O segredo da regente é que causara o alvoroço na sala comum.

Em uma cadeira Viper localizou seu antigo mentor a qual não via fazia uns meses, vestia um paletó de tweed e estava sentado a uma cadeira conversando com uma pessoa que não Maverick não conseguia enxergar devido ao movimento. Mas conversavam de maneira calma, até que ambos se levantaram e saíram juntos e só assim o Tremere pode ver que se tratava de um homem jovem, cabelo negro bem penteado colado a cabeça com algum tipo de creme, não visualizou o rosto, mas percebeu uma barba em sua face e sua pele branca. Depois os perdeu de vista quando entraram no elevador e desceram.

SAMUEL HAWKINS

Hawkins se moveu lentamente pelo labirinto de túneis, mas ainda assim movia-se com certa facilidade em meio a escuridão devido aos anos que ali passou. Lembrou o caminho como quem lembra os afazeres de domingo e não tardou a chegar em um amplo salão, maior que aquele em que Samuel despertara, mas que fora construído com o mesmo objetivo, uma fuga para o excesso de água das chuvas.

O local era separado por panos velhos quase apodrecidos formando cômodos, a falta de luxo nunca incomodou aquelas criaturas que reivindicaram o local como lar. Ainda que esperasse encontrar alguém o local estava deserto, exceto pelo barulho de eventuais roedores. Ao se aproximar do fundo do local percebeu que uma silhueta moribunda fora deixada em meio a objetos revirados, era um homem, o seu rosto era desprovido de um olho e a pele de um cinza que lembrava a pele de uma foca. Pequenos tufos ruivos saiam de sua cabeça enrugada. Vestia trapos, mas o que mais chamava atenção era uma barra de ferro grossa que atravessava seu abdome e se enfiava no concreto profundamente.

Os olhos que estavam fechados se abriram e ao reconhecer o irmão de clã sussurrou.

_Uma ajuda viria bem a calhar.
- foi possível perceber que a dor se misturava a fala enrolada, não reconhecia o homem.
avatar
George Nickson

Data de inscrição : 13/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Guidim em Qua Abr 12, 2017 8:27 am

Estar entre meus pares parecia ser a única saída que me restava para tentar entender qual seria meu karma nessa grande jornada chamada de não-vida, precisaria entender minha nova condição e abrir os olhos da alma para compreender o plano que Deus todo poderoso havia reservado para mim... Ás vezes me pego pensando se são planos de Deus ou de algo maior, sim minha fé chegou nesse limite...

Minha mente devaneava enquanto meus olhos se preenchiam com aquela requintada decoração histórica e um tanto retrógrada, mas agradável ao meu gosto, e de longe, fitavam o menor movimento dentro do recinto, 4 pessoas do lado oposto.

Em passos estreitos e a mente distante, minha audição chegaria antes da minha presença naquela roda de conversa *, enquanto peregrinava vislumbrando o corredor eu esfregava constantemente as palmas da mãos no meu jeans escuro, afim de secar qualquer sinal de estigma que viesse a se manifestar, vez ou outra minhas mãos passavam pela minha testa, apenas checando se ali também não estaria se manifestando sinal do divino. Para mim as chagas eram compreendidas, mas não poderia esperar o mesmo de membros mais antigos e um tanto enrijecidos pela idade.

Terminado minha peregrinação rumando aquele pequeno grupo, eu romperia o meu silencio, meio acanhada e sem jeito, porém de forma respeitosa.

-Boa noite para todos.... Acabo de chegar de Vegas, sem muita... ou talvez nenhuma orientação de minha senhora, porém creio que o mais correto seria apresentar-me ao Príncipe, cumprindo assim uma das tradições... correto? Poderiam me indicar onde o encontro?

Eu não saberia com quem estaria falando naquele momento, talvez dariam de ombros ou me zombariam, coisas estúpidas do tipo que seriam facilmente compreendidas e ignoradas pelo meu desdém. Mas se Carmem havia me deixado ali...  não seria em vão, restava apenas a mim, abrir os olhos da mente e tentar avistar a tênue linha da Jyhad, esta que se manifesta a cada instante de forma involuntária e invisível ao olhos nus.

* - Auspício 1, audição.,
avatar
Guidim

Data de inscrição : 31/08/2010
Idade : 27
Localização : Diadema

http://www.twitter.com/fe_orlando

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Krauzer em Qua Abr 12, 2017 9:17 pm


SAMUEL HAWKINS


_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


Samuel rapidamente encontrava o refúgio comunal do clã. O cheiro de mofo, papelão molhado e panos velhos o alcançavam antes mesmo de adentrar o salão. O local porém estava totalmente vazio... exceto por um Nosferatu desconhecido, perfurado por uma barra de ferro presa na parede, como que empalado...

-Uma ajuda viria bem a calhar. - foi possível perceber que a dor se misturava a fala enrolada.

- Mas que... quem é você, e o que aconteceu aqui?

Samuel não conseguia esconder sua expressão de pavor. Ele se aproximava lentamente, olhando para os lados para se certificar de que realmente estavam sozinhos. Ele já estava a cerca de dois ou três passos do homem, mas esperava sua resposta antes de ajuda-lo.
avatar
Krauzer

Data de inscrição : 29/10/2013
Idade : 46

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Aluncard em Qui Abr 13, 2017 12:39 am

A noite havia começava agitada, um ecoar de vozes sussurrantes falavam de uma guerra que se aproximava. A capela de Nova York era um lugar prático, não havia livros, não que pudessem ser vistos, mas se soubessem a quem pedir, um homem velho, na casa dos 60 anos, mas de uma mente altamente perspicaz conhecido como Bibliotecário, arranjaria o que você precisasse. Claro se houvesse permissão para acessar o conteúdo do livro.

O prédio se situava ao sul do Central Park, um local privilegiado com uma bela vista, a Capela possuía sete andares do prédio, na qual a maioria dos membros tinha acesso a apenas dois desses andares. Naquela noite as coisas estavam um pouco agitadas. A regente Eleanor trouxera o que parecia ser um corpo dentro de um saco preto e se escondeu em um dos andares inacessíveis obrigando até mesmo a quem tinha acesso a ele a sair imediatamente.

Em uma cadeira Viper localizou seu antigo mentor a qual não via fazia uns meses, a principio pensou em ir falar com o mesmo, mas visto que seu mentor já estava conversando com outra pessoa decidiu aguarda. Não demorou muito e ambos saíram da sala, o acompanhante tratava-se de um homem jovem, cabelo negro bem penteado, não visualizou o rosto, mas percebeu uma barba em sua face e sua pele branca.

- Quem será aquela figura? Pensou Maverick ainda em sua cadeira.

Maverick não era um membro antigo, mais já sabia que estava acontecendo algo fora do comum e não iria ficar parado a espera do pior.  

- Preciso descobrir o que de fato estar acontecendo – Pensou enquanto levantou e se aproximou de outros membros com o objetivo de ouvir algo sobre o que estava ocorrendo.
avatar
Aluncard

Data de inscrição : 22/05/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por George Nickson em Sex Abr 14, 2017 2:49 pm

BOMANI ASTENNU



O carro se movia lentamente apesar de não haver transito, um ou outro carro passava pelo SUV preto dirigido por Iorbut, ao seu lado ia um homem que Astennu não via desde o seu abraço, Alekei, enquanto o setita ia no banco traseiro, em momento algum fora incluído na conversa e ela era vaga.

Iorbut usava um óculos de aviador preto que causava uma estranha sensação em seu rosto arredondado como algo que não estivesse no lugar. Alekei era relativamente jovem, estava na casa dos 30 e seus cabelos eram tão loiros que quase pareciam brancos. Seus olhos eram de um azul gélido e o nariz era fino e alongado, possuía uma barba na mesma tonalidade do cabelo e ostentava um sorriso astuto.
_ Eles gostariam que você se decidisse logo, Margareth chega amanhã e espera uma resposta. Você entende em que ponto chegamos, não é mesmo? - ele olhava para Abdulah, os olhos esperavam ansiosamente enquanto o senhor de Bomani refletia sobre o questionamento de Alekei.
_ Vou considerar a proposta, pode falar pra ela que depois de amanhã terá uma resposta.
O carro desacelerou e parou em frente a um hotel. Alekei hesitou.
_ Não se preocupe, tem minha palavra, além do mais você sempre sabe onde me encontrar.
O sorriso astuto voltou ao rosto, mas havia algo mais nos olhos dele.
_ Não decepcione, você sabe como ela é. - com isso ele saiu do carro que voltou a se mover, ambos estavam agora sozinhos e havia preocupação no rosto de Abdulah.

IAN BAXT

OFF - Segue o mesmo post.

MALIKA DE LOS ANJOS



A medida que realocava seus pensamentos e os organizava mais concentrado permanecia e mais parecia perceber.

_ ...ou, não estão confirmando, mas os boatos dizem que foi o xerife. - a voz era suave e parecia demonstrar extrema curiosidade com a informação que passava. A figura que pronunciava a frase era um homem, não deveria passar dos 20 anos e um rastro de pelugem escuro cobriam o rosto formando uma falha barba por fazer, usava um boné dos Yankes, uma camisa verde sem estampa e uma calça jeans gasta.

_ Fiquei sabendo que Theo Bell foi chamado, deve chegar amanhã a cidade - Theo Bell era o homem certo para resolver todo e qualquer problema, ele havia adquirido a fama por sempre ser chamado em tempos de crise e sua crueldade para com os inimigos era famosa. A fonte da informação era uma mulher, os cabelos ruivos caiam em cachos sobre o ombro, uma pele alva e os olhos verdes somados a lábios finos davam um certo ar de delicadeza aquela bela mulher. Estava vestida com um vestido simples, mas que lhe dava um ar altamente gracioso.

-Boa noite para todos.... Acabo de chegar de Vegas, sem muita... ou talvez nenhuma orientação de minha senhora, porém creio que o mais correto seria apresentar-me ao Príncipe, cumprindo assim uma das tradições... correto? Poderiam me indicar onde o encontro?


A conversa cessou e os quatro olharam aquela jovem negra que se aproximava alheia aos acontecimentos. Os outros dois membros eram dois homens negros, pareciam ter quase 50 anos e eram gêmeos, o cabelo negro começava a embranquecer e era cortado bem curto em ambos, apesar da idade aparente o físico era trabalhado. Um deles, o da esquerda de Malika usava um traje formal, uma calça social preta presa por um cinto, sapatos também pretos e polidos enquanto no torso ostentava um colete bem trabalhado na cor grafite, a camisa por baixo era de um roxo muito escuro e uma gravata da mesma cor completava a vestimenta. Seu irmão, a direita de Malika era o exato oposto, o jeans era surrado, diferente do irmão que tinha o rosto limpo, este usava uma barba bem feita, um brinco de prata da orelha e uma camisa preta de manga comprida solta por fora da calça, nos pés um All Star.

Antes de ter sua dúvida sanada a Malkaviano verificava se as chagas sagradas lhe estavam incutidas na pele, porém nada apareceu ainda naquela noite.


_ Acho que você não vai conseguir isso hoje, não ficou sabendo? Ele está muito ocupado hoje, mataram o Xerife.

MAVERICK VIPER


Enquanto passava pelas pessoas era possível ouvir sussurros, retalhos de histórias que num emaranhado confuso formavam uma narrativa que justificava a inquietação toda. O Xerife fora morto, ninguém sabe por quem ou por quê, mas rumores de envolvimento do Sabath ganhavam força.

Maverick estava em New York há muito tempo, presenciou a mudança de mãos do Principado e o racha com a ascensão de Calebros, ameaças foram feitas, mas o que mais preocupou foi o apoio de Hellene, cria de Michaela, última no cargo, mesmo após ela ter sido morta pelo Nosferatu, essas memórias vieram a sua cabeça, eram relativamente recentes, não tinha nem dois anos que Calebros assumira o cargo.

Ao passar próximo aos elevadores, Viper pode ouvir a seguinte frase, apesar de não ter reparado de quem viera: "Fiquei sabendo que Hellene foi chamada por Calebros, ele a quer como a nova Xerife."

SAMUEL HAWKINS



O único olho focalizou a figura de Hawkins, mas em meio a dor ele conseguiu pronunciar enquanto a pálpebra sobre a órbita vazia se fechava bastante inchada.

_ Noah, Calebros é meu sire.

Olhando melhor, Samuel pode perceber porquê Noah não tentava se livrar sozinho, suas duas mãos foram decepadas, os cotocos que sobraram jaziam caídos ao seu lado soltando um sangue escuro e grosso.
avatar
George Nickson

Data de inscrição : 13/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por MEZENGA em Sab Abr 15, 2017 12:26 pm

Spoiler:

(OFF: vou começar com referência ao começo da crônica que foi abandonada pelo narrado. Que foi a temporada passadar)



*Baxt observa o copo de cerveja e seu olhar se perde no tempo por alguns instantes. Ele lembra de suas últimas falhas, suas derrotas, sua busca por vingança, sua busca por conhecimento e tudo que se volta contra ele.*



*Sua última busca pela feitiçaria Indiana, pelos conhecimentos perdidos de seu clã. 5 anos sendo torturado na Umbra profunda pelo próprio grupo Phoenix que o adotara depois, sua impotência em lidar com espíritos e seres sobrenaturais de sem forma física. Sua besta clama não só pela morte de todos que acabaram com seu corpo a eras atrás, sua mente clama pela oportunidade em causar dor em seres espirituais. A Capela Tremere de Londres havia o chamado para uma missão e finalmente ele teria acesso a feitiçarias, talvez um meio seguro de se proteger e atacar espíritos. Mas antes mesmo de iniciar sua empreitada, o clã Tremere cancelou.*

"Talvez eles tenham conseguido o item que precisavam por outros meios."

*Os pensamentos de Baxt ainda estavam presos nas possibilidades que ficaram para trás. Na espada cravada em seu peito, na umbra profunda, na face dos membros do Grupo Phoenix quando revelaram que aquilo era um teste. Nos antigos inscritos indianos que Baxt teve acesso e como ele não conseguiu mais encontrar nada depois daquilo.

Em algum lugar na mente de Baxt, havia ainda um encontro atual com Jayani, ele não sabia nada sobre ela. Apenas que ela era seu contato. A roda inicial que havia se apresentado como grupo Phoenix não foram mais vistos reunidos. Anciões de clãs diversos, mas liderados por um membro do clã Ravnos.

Baxt mantinha-se parado, observando seu copo e perdido em seus pensamentos confusos.*
avatar
MEZENGA

Data de inscrição : 13/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Magnus em Dom Abr 16, 2017 10:41 am

O carro sendo conduzido lentamente pelas ruas quase vazias nos sujeita a qualquer coisa, desde espionagem, perseguição até emboscada - diz minha mente, paranoica. A impossibilidade de ficar desligado do mundo é mascarada com o semblante de indiferença. Meus olhos dançam discretamente, observando os carros que nos passam, os transeuntes, e os veículos que estão atrás do nosso pelos retrovisores. Evito o uso dos óculos escuros, pois acho que eles denunciam nossa linhagem para muitos filhos de Cain. Deixo ele guardado no bolso da jaqueta a maior parte do tempo e tento enxergar o máximo possível.

Desde minha última incursão, fracassada, muito tenho me cobrado sobre minha colaboração ao clã: relíquias destruídas, uma missão não concluída e Amun Saraj circulando livremente, vivendo sua traição hipócrita no novo mundo. A vontade de encerrar sua não-vida está mais latente do que nunca.

A conversa entre o russo e meu Mentor não me atraiu nem um pouco, por isso foi fácil me fazer indiferente. Mas o silêncio de Iorbut me perturba, esse é o indício de que algo realmente pode estar perturbando-o. Seja lá o que for, ele nos deu um prazo curto - um dia - para concluir o que ela deseja.

Quando o russo deixa o carro, saio do banco traseiro e me ofereço para assumir a direção. Subo os vidros escuros das janelas, pra minimizar o brilho das ruas, e aguardo as instruções do que ele prioriza.


OFF
Pertences

Trajando jaqueta de couro marrom, camisa preta, calça jeans surrada, botina. Coldre de tórax com pistola 9mm e pente reserva.

Mochila com + 2 pentes reserva, uma adaga paquistanesa, uma estaca, uma muda de roupa, celular, um saco do tipo 'zip-loc' grande, vazio, um kit de arrombamento de fechaduras, um isqueiro do tipo zippo, uma bússola.
avatar
Magnus

Data de inscrição : 14/03/2010
Idade : 105
Localização : Cidade cripta de Charizel

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Guidim em Seg Abr 17, 2017 8:50 am

Mais uma vez Carmem sabia por onde abandonar sua cria, assim como o dom que possuo que me permite conectar-me aos afortunados espíritos e ás vezes oferta-lhes alguma redenção, Carmem tinha o dom de farejar o Caos, a teia da desgraça que rondava nossa benção de sangue, esta mesma benção que cegava nossos membros para a bondade e decretaria o fim de nossa linhagem.

_ Acho que você não vai conseguir isso hoje, não ficou sabendo? Ele está muito ocupado hoje, mataram o Xerife.

-Que desgraça!!! Fazia o sinal da cruz três vezes. -Não, não estava sabendo... minha senhora, Carmem Von Jour, deixou-me nas dependências de Calebros e partiu pelas ordem do mesmo á procura do inimaginável, eu deveria ter desconfiado que algo horrível estaria acontecendo, afinal, minha senhora sempre esta no encalço do pior, aliás, atrás da pior de todas as desgraças que possa existir...

O assassinato de um membro sempre é um alarde para todos, a morte de um membro que ocupe uma posição dentro de um seita, sendo ela a camarilla ou qualquer outra seita de visão deturpada da existência  da máscara vampírica tem peso igual.

-Será?!?! a última Jyhad? Carmem deve ter achado o primeiro ato da Gehenna? - Sussurrava comigo mesmo tentando entender o motivo de tal fato, meu olhar ficava vidrado e fixo num transe introspectivo. Minha mente viajava na minha imaginação tentando prever os próximos episódios da decadência vampírica, um certo exagero e paranoia, sim talvez eu estava ficando paranoica, ou talvez essa paranoia seria a única salvação dos cegos á verdadeira sentença já declarada.

-Algo pode ser feito? - Num ímpeto de rompimento dos meus pensamento, volto meu olhar para os 4 desconhecidos, poderia sentir meu sangue ferver em meu corpo se isso fosse possível, há cerca de 2 anos atrás eu não fazia a menor ideia que seres como nós sequer existiam e hoje vejo-me apta a evitar que mais de nós possam cair, a visão de um mundo melhor movia minhas vontades, e a sobrevivência regia meu destino desde mortal.
avatar
Guidim

Data de inscrição : 31/08/2010
Idade : 27
Localização : Diadema

http://www.twitter.com/fe_orlando

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Krauzer em Seg Abr 17, 2017 9:41 am

SAMUEL HAWKINS


______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________


- Noah, Calebros é meu sire.

Uma cria de Calebros? Olhando mais de perto, Samuel via que suas mãos haviam sido decepadas, e os cotocos restantes não eram capazes de retirar a barra de ferro encravada em seu corpo.

- Cria de Calebros?! OK, tome cuidado, isso vai doer!- Dizia Samuel, embora ele soubesse que permanecer com aquilo entalado em seu tronco já devia estar doendo pra burro.

Samuel se posiciona em frente ao Nosferatu, segura a barra com as duas mãos, e com uma das pernas fazia pressão contra a parede.

- Está pronto? Quando eu disser "Três", vou puxar, certo?

Ele esperava uma confirmação de Noah, mesmo que fosse apenas um aceno de cabeça, e então seguia.

- Um... dois... TRÊS!- E com um grande esforço, tentava arrancar a barra de uma só vez, para evitar mais sofrimento da parte do Nosferatu.


Possíveis ações:
Caso tudo ocorra bem, Samuel lhe pergunta se ele precisa de sangue para se recuperar, se Noah aceitar, ele oferece o equivalente a 5 pontos de sangue. Assim que ele estiver melhor, Samuel pergunta novamente o que aconteceu, e quem o deixou daquela forma.
avatar
Krauzer

Data de inscrição : 29/10/2013
Idade : 46

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Aluncard em Seg Abr 17, 2017 2:59 pm

Os rumores eram os mesmo, que o antigo Xerife havia sido morto, provavelmente pelo sabath, mais, ate o momento era apenas rumores e ninguém ousava em afirmar nada.

Maverick presenciou a mudança de mãos do Principado, a ascensão de Calebros, mas o que mais preocupou na época foi o apoio de Hellene, cria de Michaela, última no cargo. Essas memórias vieram a sua cabeça, eram relativamente recentes, não tinha nem dois anos que Calebros assumira o cargo.

Ao passar próximo aos elevadores, Viper pode ouvir a seguinte frase, apesar de não ter reparado de quem viera: "Fiquei sabendo que Hellene foi chamada por Calebros, ele a quer como a nova Xerife."

Aquele era um jogo muito perigo, havia aprendido com seu mentor que na sociedade vampírica ninguém é de fato amigo de ninguém, sempre existe segredos por trás das ações de cada membro.

- Primeiro Hellene apoia Calebros, agora o xerife é morto e Hellene assume o cargo – pensou Maverick – Talvez estivesse tudo planejado desde o inicio, a morte do xerife e até mesmo a morte de Michaela.

Maverick sabia que não iria encontrar nada ali, sabia que na capela só haveria especulações, não podia compartilhar seus pensamentos com ninguém, pelo menos, não naquele momento. Achou melhor sair do prédio, esplandecer os pensamentos e quem sabe, nas ruas, podia encontrar uma informação mais concreta.
avatar
Aluncard

Data de inscrição : 22/05/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por George Nickson em Ter Abr 18, 2017 11:29 pm

BOMANI ASTENNU


Abdulah se mantém quieto, mas aceita que seu pupilo dirija. Sem uma direção definida, a sensação que chega a Bomani é de estar dirigindo a esmo.

_ Preciso que você faça uma coisa pra mim. - havia preocupação na voz outrora impassível do sire, como quem reluta a tomar uma decisão. -Tenho um velho amigo morando nos esgotos preciso que você entregue um recado a ele. - Iorbut retirou um pequeno estojo do bolso, era feito da escama de uma mamba negra o que justificava o estranho brilho que ele possuía.

De dentro do estojo ele tirou um pedaço de pergaminho velho, provavelmente pele de ovelha curtida. Junto puxou uma caneta tinteiro, a ponta era fina e afiada e, com força, a enfiou na palma da mão de onde puxou um pouco de sangue e com este começou a escrever no pedaço de pele, esperou que secasse e então dobrou.


_ Está proibido de ler o que está escrito, aqui, Bomani, fui claro? Há uma estação de metrô abandonado. A queda do World Trade Center danificou a estrutura então ele agora usa como casa, quero que entregue isso a ele.

IAN BAXT


Perdido em meio aos seus pensamentos uma figura se senta a cadeira a frente. Uma bela mulher com traços claramente indianos, o cabelo solto escorria pelos ombros enquanto não trajava nada mais que um vestido preto que deixava os ombros a mostra, não utilizava maquiagem, mas o fato não diminuía sua beleza, também não carregava qualquer bolsa consigo ou adorno, apenas um sobretudo repousava agora em seu colo.
_ Suponho que seja Ian, certo? Acho que Pakhi está morto, na verdade tenho fortes suspeitas disso, mas precisamos confirmar e reportar. a sua voz carregava um leve sotaque do sul do país, afinal talvez tivesse nascido na America como Ian -Há dois dias ele entrou em contato com um tatuador na zona norte do Bronx preciso que investigue isso. - Jayani retira de um bolso do sobretudo em seu colo um pequeno pedaço de papel que continha um endereço e o nome da casa de tatuagem: Priest Hammilton Street, 377, Faceless Tattoo. Enquanto isso gritos de comemoração ecoaram pelo recinto, na tv o narrador eufórico anunciava um touchdown.

MALIKA DE LOS ANJOS



Quando a Malkaviano fez o sinal da cruz pode perceber um leve desconforto habilmente disfarçado na ruiva e, em meio aos sussurros exasperados e desconexos a qual todos pareciam ter ouvido, passou pelo semblante de todos o entendimento sobre a linhagem da jovem neófita, estavam diante de uma louca do famigerado clã Malkaviano.

_ Você pode sumir, por exemplo - respondeu gêmeos que ostentava a barba com sua voz de baritono -sem ofensas, mas se o Sabath está na cidade não acho que você queira estar também. Que tal pegar suas coisas, incluindo os parafusos soltos e correr pra aba da sua sire? O tom jocozo retirou uns risos tímidos dos demais, mas era nítida seu preconceito com a jovem

MAVERICK VIPER



Não havia mais nada o que fazer ali, por tanto decidiu chamar o elevador que levou um tempo mais se abriu deixando sair novos membros curiosos com os boatos que se espalhavam rápido pelo clã, ao todo no salão deveria ter umas 40 pessoas, para uma cidade como New York, com certeza os boatos atraíram membros de cidades próximas e talvez viriam do restante do país.

Assim que entrou no elevador este se fechou e com um tranco quase que imperceptível começou a descer, não tocava nenhuma música e os breves segundos que levou até chegar ao térreo pode perceber que as coisas estavam tomando grandes proporções.

O elevador se abriu permitindo a visão do amplo hall de entrada do prédio. O silêncio reinava ali por haver somente dois funcionários, mesmo o barulho dos carros que passavam na rua, ainda movimentado por ser no centro da cidade, não alcançavam os seus ouvidos. Os funcionários eram carniçais conhecidos fieis aos regentes que ocuparam o cargo nos últimos 50 anos. Ambos na casa dos 40 anos mostravam sinais de envelhecimento. Eventualmente o sangue do qual bebiam perderia a eficácia e teriam de ser substituídos.

Do lado fora pode então ouvir o barulho do trânsito, porém haviam poucas pessoas passando a pé já que eram quase 23h da noite. O Tremere ali estava parado pensando para onde iria a seguir.

SAMUEL HAWKINS


Com a confirmação de que havia entendido, Samuel posicionou um dos pés na parede e com ambas as mãos segurou firma a barra de ferro. Ao fim da contagem puxou e pode ouvir o urro produzido por Noah, a barra estava tão bem enfiada na parede que precisou fazer força, mas por fim conseguiu retirá-la. O corpo de Noah, enfraquecido, deslizou para o chão, ainda assim recusou a oferta de sangue. Um rastro de seu sangue ficou impressa na parede.

Considerando a barra em sua mão e o quão fundo estava na parede, Hawkins pode presumir que quem quer que tenha feito isso possuía uma força extraordinária.


_ Vou precisar de sua ajuda, preciso chegar até Calebros, não posso fazer isso sozinho. - a dor e a fraqueza estavam estampados em sua voz, ele precisaria ser carregado, indefeso estava a mercê da boa vontade de Samuel.
avatar
George Nickson

Data de inscrição : 13/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Guidim em Qua Abr 19, 2017 8:40 am

"Então o Sabath está na cidade... mas... isso não faz muito sentido, o Sabath já passou por muitas cidades, muitos membros já foram alvos de vossa sina, mas jamais Carmem se envolvera nesses tipos de assuntos, sim deve haver algo além..."

Meus pensamentos me distraiam enquanto a chacota me açoitava, o senso de humor dos membros alheios á nosso sangue é algo primoroso, eles se vestem da falsa verdade e do ceticismos e fecham os olhos para a verdade oculta em cada linha que tece a Jyhad. Eles gastam tanta energia mantendo a falsa máscara de desdém e serenidade, enquanto o oculto se apodera de vossa existência e definha com sua integridade psicológica, de fato é difícil acreditar que eles acham que nós somos os verdadeiros loucos. Você está vendo eu rir?

Enquanto as contidas risadas tentavam me diminuir eu os encarava com certa serenidade, igual fazia dentro da penitenciaria, saberiam que  eu não estava achando graça alguma e a santidade de meu semblante os fariam repensar seus atos e entenderiam que eles estavam agindo como uns verdadeiros imbecis, no menor dos casos saberiam que não haviam me abalado.

Cessando as risadas e observando o semblante mais sério, continuaria.

-Acho que o senhor tem razão,  também acho que devo voltar para aba de minha Sire, talvez eu a encontre observando o caso do Xerife - que sua alma se conforte - ou mesmo algum outro caso ligado á isso, se eu puder encontra-la, creio que será nos possíveis locais onde as evidencia do Sabath estar presente na cidade foram deixadas, ao menos se souberem onde foram esses locais eu poderia começar a procura-la., sumiria facilmente e levarei todos os parafusos que restaram.

Meu tom não carregava tom de sarcasmo e enquanto eu ajeitava os cabelos que caiam no meu rosto de forma acanhada, um singelo sorriso era revelado no canto de minha boca , demonstrando que no final das contas, havia sim achado alguma graça no que fora dito.


Última edição por Guidim em Qua Abr 19, 2017 2:46 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Guidim

Data de inscrição : 31/08/2010
Idade : 27
Localização : Diadema

http://www.twitter.com/fe_orlando

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Krauzer em Qua Abr 19, 2017 12:25 pm

Com muito esforço, Samuel consegue retirar a barra de ferro, e o corpo inerte de Noah desliza lentamente para o chão. Samuel mal podia imaginar a dor que ele sentia no momento e lhe oferece vitae, mas Noah a nega, algo que Hawkins acha um tanto quanto estranho.


- Vou precisar de sua ajuda, preciso chegar até Calebros, não posso fazer isso sozinho. Ele parecia estar se esforçando muito para falar.

Samuel ainda segurava a barra de ferro em suas mãos enquanto olha para o Nosferatu moribundo no chão. Ele precisava de ajuda para caminhar, mas algumas coisas precisavam ser esclarecidas antes de tudo.

- Certo, eu vou ajuda-lo, mas primeiro preciso que me responsa, o que aconteceu aqui? Sei que falar lhe custa muito, mas eu preciso saber antes de leva-lo a qualquer lugar!
avatar
Krauzer

Data de inscrição : 29/10/2013
Idade : 46

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por MEZENGA em Qua Abr 19, 2017 3:59 pm

*Baxt está aguardando a chegada de seu contato. Baxt não gostava do grupo Phoenix, mas trabalhar com eles era uma chance de ter alcance a informações mais raras e obscuras. Não sabia qual era o objetivo deles no momento e seus pensamentos são interrompidos por Jayani. Como sempre desconfiado, Baxt antes de falar qualquer coisa, utiliza seus dons ]ver o invisível e percepção da aura]. Uma vez que confirma a aura e que ela tem a aparência dela mesma. Baxt diz:*

- Acho que você pode primeiro me contar tudo que está acontecendo e no que ele estava trabalhando. Eu estive meio por fora nesses últimos tempos.

*Baxt tinha se afastado para começar a trabalhar para Tremeres em Londres, mas o trabalho foi interrompido antes mesmo de começar. Voltando para NY, ele foi solicitado para encontrar os contatos e de fato não sabia quais eram os negócios que estavam acontecendo na cidade.

Pegava por fim o papel e decorava o endereço*
avatar
MEZENGA

Data de inscrição : 13/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Aluncard em Qui Abr 20, 2017 11:27 pm

Aguardou a porta do elevador abrir e ao abrir foi novos membros curiosos com os boatos que se espalhavam rápido pelo clã, ao todo no salão deveria ter umas 40 pessoas, para uma cidade como New York, com certeza os boatos atraíram membros de cidades próximas e talvez viriam do restante do país.

Assim que entrou no elevador este se fechou e com um tranco quase que imperceptível começou a descer, Maverick aproveitou esse tempo para pensar.

- Esse prédio estar repleto de membros, o ocorrido já tomou grandes proporções e um ataque ao prédio poderia ocorrer, assim, iria eliminar vários de uma única vez – Pensou preocupado com sua sobrevivência.

O elevador se abriu permitindo a visão do amplo hall de entrada do prédio. O silêncio reinava ali por haver somente dois funcionários, mesmo o barulho dos carros que passavam na rua, ainda movimentado por ser no centro da cidade, não alcançavam os seus ouvidos.

Maverick passou rapidamente pelo salão principal a destino da saída e então do lado de fora pode ouvir o barulho do transito. Eram quase 23h da noite e Maverick se encontrava parado pensando para onde iria a seguir.

Poucos segundos depois se aproximou da rua, estendeu o braço.

- Taxi – Gritou Maverick

Já estava claro seu destino, iria ao local que o corpo foi encontrado, apesar de não ser detetive sua vida sempre foi de pesquisas.
avatar
Aluncard

Data de inscrição : 22/05/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Magnus em Dom Abr 23, 2017 1:18 pm

O recado inusitado chamou bastante minha atenção. Eu nunca tinha visto ele passar mensagem a alguém dessa maneira. Meneio cabeça após ouvir as recomendações de meu Senhor, eu não ousaria bisbilhotar o recado porque sei que ele descobriria fácil se eu o fiz, e não estou nem um pouco afim de provocar sua ira.

Dirijo em direção ao local indicado, procuro um estacionamento a alguns quarteirões antes pra deixar o carro e o senhor Abdullah seguro. Disfarço minha aparência pra chamar menos atenção nas ruas movimentadas da cidade*. Checo meus itens, e a hora no relógio. A tarefa é simples.

-Senhor, qual o nome dele? Ou apelido?

OFF

*Máscara das Mil Faces
avatar
Magnus

Data de inscrição : 14/03/2010
Idade : 105
Localização : Cidade cripta de Charizel

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por George Nickson em Ter Abr 25, 2017 12:18 am

BOMANI ASTENNU
Máscara das Mil Faces:
Dados: Manipulação + Performance = 5 dados, dificuldade 7 (8, 6, 5, 1, 8) - Resultado: 1 sucesso

Bomani deixava Abdulah em sua residência, um apartamento no vigésimo terceiro andar do prédio Saint Alphais. Um prédio de classe alta no Brooklyn projetado por Le Corbusier, arquiteto francês famoso falecido em 1965.

_ Não precisa saber o nome dele, mas é fácil de encontrá-lo. - o sire retirou um novo papel do porta-luvas, dessa vez comum rasgado de um bloco de notas e, com uma caneta comum de tinta preta, escreveu o endereço onde encontraria a entrada para os túneis que levariam a misteriosa figura.

Tendo deixado, Bomani dirige-se ao local indicado, a rua ficava próxima ao World Trade Center Memorial, havia uma viela entre o Freedom Tower e o Moody's Investors Service onde uma tampa cerrava cabos de fontes dentro de um cubículo capaz de suportar duas pessoas espremidas.

Antes mesmo de sair do carro o setita utilizava os dons passados a ele pelo sire, apesar de seu tamanho não mudar algumas coisas em sua face haviam mudado -
OFF - aqui deixo espaço pra você descrever a aparência adquirida com Ofuscação respeitando os limites da tabela de sucessos da Máscara das Mil Faces - ON - a medida que agora era um homem de aparência comum transitando por Nova York.

Ao acessar o cubículo uma pequena porta, na qual Bomani teria que passar agachado de quatro, levava a galeria de túneis do sistema de escoamento pluvial de Manhattan.

IAN BAXT
Percepção da Aura:
Dados: Percepção + Empatia = 10 dados, dificuldade 8 (5, 7, 3, 1, 3, 5, 8, 10, 2, 6) Resultado: 1 sucesso

Do corpo de Jayani é envolto por uma pulsante luz pálida revelando pouco sobre ela e apenas confirmando o que Ian já sabia. Ao seu redor não havia nada que pudesse fazer a atenção do Ravno redobrar, não passavam de mortais aproveitando uma noite de superbowl.

_ Desculpa, mas por enquanto a informação sobre o que ele fazia aqui é confidencial, mas não se preocupe, vou procurar o conselho, pessoalmente creio que você deva ser informado do que está acontecendo.

Um novo papel é passado para Ian, nesse havia contido o telefone da cainita.

_ Me liga se descobrir algo.

Por fim ela se levantou, parecia levemente cansada, mas logo a impressão sumiu, ela deu uma leve acenada pro barman e saiu na noite fria deixando Baxt a mesa com seu copo de cerveja intocado.

MALIKA DE LOS ANJOS
A reação de Malika não fora bem o que o gêmeo esperava. Se a causalidade dos seus atos fosse o embaraço da Malkavian ele havia falhado dramaticamente de modo que um mero sorriso acanhado e divertido abria-se na boca da neófita.

_ Desculpe os modos do meu irmão, é incapaz de reconhecer as máscaras que a realidade veste. Meu nome é Landon. Não sei o que você procura, mas se serve de ajuda, o Xerife foi encontrado na Gran Concourse, há uma praça lá. Mas meu irmão está correto, se eu fosse você sairia da cidade.

Perceber:
Dados: Percepção + Empatia = 5 dados, dificuldade 8 (10, 10, 3, 9, 2) Resultado: 3 sucessos.

Landon era cortês como a aparência parecia indicar, mas havia algo nos seus olhos que ligou o alerta da Malkavian. Uma frieza e dissimulação que não aparecia nos demais.

MAVERICK VIPER
Maverick enfia decidia o que fazer, o táxi parou quase que instantaneamente, um sedã amarelo dirigido por um indiano na casa dos 50 anos, corpo robusto e a tez morena. O cabelo, já quase que completamente branco estava bem aparado e um bigode grosso encimava a boca.

Assim que deu o endereço o táxi se moveu e não levou muito tempo até estacionar em frente a uma praça no West Bronx. A direita da Praça um prédio azul se destacava. A neve da tempestade da noite anterior começava a formar lama no chão enquanto dois balanços pendiam úmidos e imóveis. Algumas árvores sem folhas adornavam o local.

SAMUEL HAWKINS
O desanimo perpassou o rosto contorcido de dor do Nosferatu jogado ao chão encostado na parede.

_Calebros me pediu pra investigar o sumiço dos nossos irmãos, há dois dias eles desapareceram, se não fosse todas essas tralhas poderia jurar que não morava ninguém aqui de tão deserto que estão os bueiros. Quando resolvi ir embora me deparei com alguém mascarado, lutava como um alucinado e acabei da forma que você está vendo.

A dificuldade na fala aumentava conforme o tempo passava, o cainita perdera muito sangue e os danos levariam dias, talvez algumas semanas para se curar completamente.
avatar
George Nickson

Data de inscrição : 13/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Guidim em Ter Abr 25, 2017 8:41 am

"A cidade se tornaria perigosa demais para mim, ou eu poderia me tornar perigosa demais caso permanecesse na cidade? Se o temor seria tão grande, porque eles mesmo ainda permaneciam por ali enquanto aconselhavam-me a me retirar?"

"O que será que aquele olhar frio e as palavras dissimuladas tentavam esconder?"


Eu assentia com a cabeça em sinal de positivo enquanto meu cenho e meus lábios franziam demonstrando a preocupação que Landon me transmitia, me alertando sobres os perigos que a cidade acolhia.

-Obrigado Sr. Landon, não imagino o quão longa é sua jornada nesta outra faceta de nossa vida, é evidente que sua jornada já ultrapassa a minha, respeito isso e acatarei seu conselho e de vosso irmão, agradeço a singela informação cedida, creio que encontrando minha Sire logo sairemos da cidade.

Me reverenciava á Landon em sinal de respeito e meus agradecimentos eram os mais sinceros, afinal além da informação útil, seu conselho gratuito era muito bem recebido. Timidamente um aceno de mão era direcionado a cada um individualmente, e um sussurro acanhado quase inaudível de - Obrigada... obrigada.... obrigada.... obrigada - era direcionado para cada um dos presentes.

Me punha a retirar do local, minha mente indubitavelmente confusa, não saberia se deveria buscar a verdade ou encontrar logo minha Sire e sumir da cidade, dificilmente eu saberia qual sentimento seria maior, o medo ou a dúvida. Cada passo que eu dava em direção á saída parecia atenuar cada vez mais o dúvida que atormentava minha mente, já havia dado uns 10 passo longe do grupo, quando num ímpeto meus passos se interrompiam e em tom alto de voz eu me voltava para o grupo e minha voz novamente rompia o silencio do salão.

-Fechar os olhos para a verdade, já o ajudou alguma vez Senhor?

Era nítido que minha vontade era deixar o perigo desconhecido para trás e sumir no horizonte, mas esse mesmo medo que me atinge, é o medo que move os paranoicos anciões e enrijecem vossa alma, os cegam para a verdade e os mergulham na Jyhad, e a dúvida de saber como um membro mais velho reage a isso, pode me prevenir de um dia chegar a tal ponto de loucura.

Mais uma vez observaria as palavras que Landon teriam para mim caso ele houvesse alguma, caso contrario apenas o fitaria e tentaria desvendar a reação dele, mas não importando sua reação, sua alma falaria a maior das verdade, e enquanto permanecia parada esperando uma resposta, perguntaria á alma do amaldiçoado como ela estava se sentindo. (percepção da aura)
avatar
Guidim

Data de inscrição : 31/08/2010
Idade : 27
Localização : Diadema

http://www.twitter.com/fe_orlando

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Krauzer em Ter Abr 25, 2017 4:59 pm


Samuel podia ver a dor esboçada no rosto do Nosferatu sempre que ele falava.

- Calebros me pediu pra investigar o sumiço dos nossos irmãos, há dois dias eles desapareceram, se não fosse todas essas tralhas poderia jurar que não morava ninguém aqui de tão deserto que estão os bueiros. Quando resolvi ir embora me deparei com alguém mascarado, lutava como um alucinado e acabei da forma que você está vendo.

O quê? Dois dias? Se essa história for mesmo verdade, Samuel corria um grave risco dormindo nos esgotos da cidade. Ele desejava perguntar mais, mas o nosferatu precisava de cuidados urgentes. Ele estende a mão para o ajudar a se levantar, coloca o braço de Noah sobre seus ombros para que ele pudesse se apoiar enquanto caminham. Samuel ainda carregava a barra de ferro enquanto o levava até o local onde costumava ser o refúgio de Calebros, quando se dá conta de que devido ao perigo, talvez ele tenha saído dos esgotos.


- Tem alguma ideia de onde Calebros esteja?

avatar
Krauzer

Data de inscrição : 29/10/2013
Idade : 46

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por MEZENGA em Ter Abr 25, 2017 5:36 pm

*Baxt observava o número e o decorava rapidamente, ele era de um tempo onde tudo tinha que ficar guardado na mente. O único lugar que Baxt confiava de fato, ainda que soubesse que mesmo a mente pode ter a percepção alterada. rasgava e amassava o papel, deixando no balcão.*

"Priest Hammilton Street, 377, Faceless Tattoo. Nome interessante para um lugar de tatuagem, principalmente se um outro shilmulo despareceu por lá."


*Os pensamentos de Baxt são interrompidos por algo na TV, ainda o jogo do super bowl e a torcida que se exaltava em certos momentos.*


*Observava a si mesmo e percebia como ele não se encaixava mais naquele lugar e como ele estava alterado desde que passou seus anos na umbra profunda.*

"Estou em um beco sem saída, como conseguir poder para lidar com espíritos?"

*Olhava para os rasgos sobre a mesa enquanto levantava para sair.*

"Pakhi huh..."

*Apenas um nome, mais um membro associado desta organização que não fazia a menor diferença para Baxt. Seus pensamentos se davam enquanto saia do bar, nota de pagamento na mesa. Pegava então seu carro, alugado com o cartão de seu carniçal, fazia uma busca pelo nome do local de tatuagem, buscava imagens e ia até o bairro local.

Baxt já havia ido no bairro algumas vezes em sua pós-vida, mas o lugar assim como mundo, parecia mudar sempre alguns detalhes, as pessoas que voltavam ao ciclo dando espaço a novas para tornar tudo tão diferente. Ligava para seu carniçal, contato, detetive e dizia:*

- Melvin, preciso que você investigue tudo que puder sobre este local...
*Passava os dados, endereço e pedia todas as notícias relacionadas ao dono do local.*
- Claro, o pagamento será providenciado como o usual, não se preocupe.

*rondava o quarteirão e os quarteirões anexos ao endereço informado, buscava observar coisas não usuais, câmeras incomuns, locais com trancas novas, algo mais limpo que o normal, qualquer coisa que chamasse a atenção para o quarteirão, não só para o local de tatoo. Observava os pedestres também.

*Terminaria sua noite em contato com seus ratos, os levaria para o quarteirão do local da tatoo e pedia a eles que descobrissem qualquer existência de seres fora do comum, sejam outros animais, sejam criaturas no esgoto local. Dava-lhes queijo com seu sangue.*



*A primeira noite seria apenas de coleta de dados.*
avatar
MEZENGA

Data de inscrição : 13/04/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Magnus em Qui Abr 27, 2017 7:52 pm

A transformação não mudou como gostaria. Acho que meu tamanho chama muita atenção, apenas modifiquei minhas características mais marcantes : os olhos ficaram menos puxados, fiz surgir cabelos e barba, e uma pequena cicatriz na testa para despistar caso queiram fazer um retrato falado.

Sigo pela viela, após parar o carro o mais próximo possível. Me certifico de não estar parando em local proibido, pra não ter surpresa ao retornar. Checo meus pertences e sigo pelo caminho indicado. Caminho calmamente, observo discretamente o movimento.

O cubículo é estreito e fétido, o que me faz lembrar de experiências anteriores na velha Inglaterra. Aqui não deve ser diferente, com certeza serve de abrigo pra muitos Ratos de Esgoto, cada um mais folgado e hostil que o outro. Territorialistas, como se a imundície morta dos esgotos de NY tivesse algum valor, além do abrigo da luz solar.

Sujo os joelhos ao me espremer pela passagem, deixo escapar um palavrão em árabe, sussurrando. Lembro que não é uma boa ideia chamar muita atenção. Percorro os corredores escuros e umidos com cautela,passos lentos e leves, buscando ecoar menos ainda os passos. Uso a língua bífida pra ajudar, e percorro com os olhos os cantos mergulhados na escuridão, já tão habitual e primordial pra todos do clã de Set.

Boto a mão esquerda no bolso, já com o recado de meu Senhor pronto pra ser entregue. Torço pra que não haja complicação em uma tarefa tão simples...
avatar
Magnus

Data de inscrição : 14/03/2010
Idade : 105
Localização : Cidade cripta de Charizel

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Aluncard em Sab Abr 29, 2017 10:52 pm

O táxi parou quase que instantaneamente, um sedã amarelo dirigido por um indiano na casa dos 50 anos, corpo robusto e a tez morena. O cabelo, já quase que completamente branco estava bem aparado e um bigode grosso encimava a boca.

Após Maverick entregar o endereço o taxi se moveu e não levou muito tempo até estacionar em frente a uma Praça no West Bronx.

Após ter pago a corrida Maverick se pôs a andar pela praça, a direita da Praça um prédio azul se destacava, a neve da tempestade da noite anterior começava a formar lama no chão enquanto dois balanços pendiam úmidos e imóveis. Algumas árvores sem folhas adornavam o local.

O local estava totalmente deserto, sem sinal de nenhuma alma viva ou morta, mais todo cuidado era pouco e olhava tudo atentamente.

avatar
Aluncard

Data de inscrição : 22/05/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Rastros de Insanidade

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum