Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por Black Thief em Qui Nov 24, 2016 9:52 pm

Valentine Beck






Não se podia vencer todas... Aquela era uma delas. A vampira resolvia ficar em um canto esperando ser chamada por algum servo e ser levada até o Príncipe. Ela olhava ao redor, via cainitas conversando, a maioria deles era tão belo quanto Valentine, poucos eram ainda mais tendo uma beleza que Beck só tinha visto até agora nos próprios Membros. A outra parte era composta de pessoas simplesmente bonitas tal como a que havia entrado consigo, nada impressionante mas também nada de se jogar fora.

Olhando os quadros a vampira podia ver que havia um gosto variado, o movimento romantista, o gótico flamenco e poucos remetentes à arte bizantina, mas o predominante ainda eram os barrocos e em seu destaques as famosas técnicas de Chiaroscuro, pareciam haver caminhos de galeria de artes para esses movimentos artísticos e outros variados, assim como também a vampira via sempre várias paredes cercadas até o teto de livros, uma decoração moderna com o bom gosto antigo.

Muitos olhares curiosos e predatórios em cima de si eram sentidos pelo Gangrel, ela sentia uma espécie de sensação de perigo, como se fosse uma ovelha em volta de muitos lobos que fingiam não estar com fome o suficiente para dar atenção à presa fácil. Parecia que a qualquer momento um daqueles coiotes logo se deslocaria para dar a primeira mordida e sentir o gosto da carne fresca, mas qualquer tentativa de qualquer um daqueles predadores sociais seria frustrada por uma mulher em um vestido social, que certamente não era uma vampira, e que dizia:

- Senhora Beck? Por favor, me acompanhe, o Príncipe Barthes vai recebê-la.

A vampira então via que já chegava a hora, ela seguia aquela serva, passavam pelo hall e pelos lobos que olhavam curiosos para o pedaço de carne que seria degustado primeiramente pelo alpha. Ela subia um grande lance de escadas que dava para um novo Hall, havia também outros vampiros por lá, com o mesmo comportamento dos que estavam do andar abaixo, haviam grupos sentados, outros em pé conversando e todos olhavam para a novata na medida certa e fria.

Ela então chegava a uma grande porta dupla onde a serva abria a porta, este dava lugar a um ambiente branco largo e vazio, apenas uma separação de uma outra grande porta dupla que era batida duas vezes e então sem uma resposta a serva diz:

-Pode entrar, senhora Beck

Assim a serva se despede e a vampira abre a maçaneta redonda e arcaica da porta onde entrava numa grande sala oval, cercada de livros com três janelas ao norte, leste e oeste, sem móveis, sem cadeiras, sem mesas, sem poltronas. Próxima a uma das estantes da biblioteca estava um homem extremamente alto, talvez deveria ter um metro e oitenta, talvez mais que isso, fazia Beck parecer uma pessoa diminuta. Ele era definitivamente excêntrico, só de olhar sua aparência via nele uma espécie de beleza melancólica, não sabia se aquela palidez excessiva era maquiagem ou de fato a cor de sua pele mas fato era que estava mais branco do que exatamente pálido como os outros cainitas. Seus lábios eram vermelhos, aquela parte já era clara que era maquiagem, seus cabelos eram de um estilo moderno e despojado, um pouco rebelde. Vestia roupas sociais totalmente pretas, eram elegantes embora um pouco arcaicas, era mais fácil dizer que eram "clássicas".

Ele então fixava seu olhar em Valentine e a mesma começava a sentir uma pressão estranha e diferente só de olhar nos olhos do Príncipe, que ainda, nada falara.


Aparência 4

avatar
Black Thief

Data de inscrição : 11/02/2011
Idade : 24

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por Krauzer em Sex Nov 25, 2016 8:00 am

Samuel consegue pegar o jornal sem acordar o mendigo, mas sua ofuscação fora quebrada. Ele segue furtivamente com o jornal para um canto escuro, procurando utilizar sua aparência mortal (Ofuscação nível 3).

Ao folhear o jornal, percebe várias notícias, muitas das quais não parecem ter muita relevância para ele.

Samuel decide se focar nas seguintes notícias:

* Tiroteio no Queen - Esquadrão de Elite combate atividade terrorista.

* Brooklyn em alerta - Estudante morre com facadas no pescoço.

* Fato ou Ficção? - Hotel assombrado em Manhattan.

* Protesto em Berlim - Alemães causam revolta após a decisão do juri sobre o caso da menina violentada por um policial.

avatar
Krauzer

Data de inscrição : 29/10/2013
Idade : 47

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por Rian em Sab Nov 26, 2016 9:29 am



Escolher um vaso de planta como companhia por certo tinha sido a melhor escolha. Os vampiros de NY pareciam estar com sede de mim, me sentia hostilizada e encurralada. Por sorte uma mortal me tirava a tempo dali e me conduzia até o príncipe, passando antes por outro hall decorado pelas mesmas figuras frias do piso inferior.
- Obrigada, senhorita... procurava implicitamente por seu nome. Eu sempre procurava saber o nome das pessoas, mesmo daquelas que dentro dos parâmetros da sociedade mortal ou cainita não possuíam a devida “relevância” em sua pirâmide de status.
Assim que entrava contemplava a formosura daquela criatura exótica que ali se encontrava. Alguém diferente daqueles que eu já havia visto, contudo possuidor de uma beleza magnífica. “- Que tipo de homem ele é?” Seus olhos fitavam os meus e eu me sentia constrangida e pressionada. Talvez ele estivesse me analisando com alguma espécie de dom sobrenatural sobrenatural.
- Velentine Beck, meu senhor! Em nome da Quinta Tradição vim lhe pedir sua aceitação.

_________________
                                                                
avatar
Rian

Data de inscrição : 30/09/2014
Idade : 33
Localização : Goiânia

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por Black Thief em Dom Nov 27, 2016 4:06 pm

Lisandra Eckhart


Depois daquele episódio com a mulher chamada Valentine Beck, Lisandra resolve que a melhor coisa a fazer, já que não tinha outras opções, era andar pelo Elísio, apreciar a bela vista que era aquele lugar elegante e moderno, com leves e sutis tons clássicos em obras de arte. Galerias e bibliotecas eram as mais comuns, porém ainda havia a ala de cerâmica, os auditórios musicais que no momento estava vazio já que nenhuma orquestra se apresentava hoje, e diversas outras atrações culturais de ótimo gosto, coisa que apenas os mais cultos saberiam como apreciar. Embora Lisandra não fosse nenhuma magnata ela ainda tinha apreciação por todas aquelas obras, o bom gosto fazia parte de seu ser.

Porém, havia algo que Lisandra não podia deixar de notar... Ela não era o único Membro presente, na verdade haviam muitos outros Membros, todos em grupos, conversando, observando. Lisandra percebia que muitos olhavam para a Setita, discretamente, outros nem se importavam em exibir que o assunto claramente era ela, trocando alguma palavra com outro e ainda sorrindo. A Serpente via que de alguma forma, por ser a única sozinha, sem se encaixar em algum grupo social, era alvo de atenção de muitos daqueles Membros. Era apenas uma questão de tempo para algo, de uma forma ou de outra, ocorresse... Uma mulher se aproximava da Serpente... Era uma mulher magra, de rosto bem jovial, talvez seus 20 e poucos anos, era uma jovem tão linda que poderia até mesmo ser uma modelo, ela praticamente não tinha expressão facial, seu rosto era um enigma para as leituras, parecia ser um automato, mas Lisandra, assim como todos os outros Cainitas, sabia quem eram os Membros que possuíam algum Status, algum cargo, uma relevância social mais elevada... Lisandra sabia que era a Hárpia Kylie Altmeyer, do clã Malkavian. Mesmo que Kylie fosse uma Hárpia que sabia reconhecer os lados bons dos Membros, e não só procurar os lados ruins para espalhar fofocas maldosas, ainda assim era uma Hárpia e Lisandra sabia que tornar essa uma experiência desconfortável poderia ser algo, no mínimo, ruim.

Kylie dizia com uma voz sem qualquer entonação.

- Boa noite... Lisandra Eckhart, não é? Sou Kylie Altmeyer...

Ela estendia a mão para um cumprimento. Aquela mulher era estranha, não ter expressões tanto em seu rosto quanto em sua voz eram algo um tanto bizarro, mas o que mais poderia se esperar de um Malkavian? Mas mesmo assim Lisandra não podia negar que... Até aquele momento tudo parecia bem... A mulher não parecia ter alguma forma de hostilização.

Aparência 4

avatar
Black Thief

Data de inscrição : 11/02/2011
Idade : 24

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por Lord_Suiciniv em Dom Nov 27, 2016 10:00 pm

Eu penso um pouco a respeito do lugar para encontrar Heinz, e finalmente me decido. - Vamos nos encontrar naquela praça de sempre. Em... - Eu olhava para o relogio do celular e depois retornava o telefone ao ouvido. - Em 1:30, está bom pra você?

Após ouvir a confirmação por parte de Heinz eu me despeço dele, de maneira educada, lhe agradecendo pela ajuda e desligo o telefone.

Após a finalização da conversa, guardo o telefone em meu bolso, e retorno para a sala, para verificar se Andrea ainda não havia saído.
avatar
Lord_Suiciniv

Data de inscrição : 17/10/2011
Idade : 22
Localização : Minha casa...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por Askalians em Seg Nov 28, 2016 7:34 am

 Lisandra Eckhart

Observava curiosa a mulher, que conhecia apenas de nome. Ainda parecia uma incógnita tentar entendê-la, mas não podia ser tão pessimista assim, apenas cautelosa.

Não sabia o que esperar da harpia a sua frente, mas como era um membro com comportamento exemplar, sabia que por mais que a mulher cavasse, não encontraria podres ao seu respeito.

- Sim, prazer Kylie... Como vai?

Aceitava a mão da mulher e a cumprimentava de forma amigável e gentil.
avatar
Askalians

Data de inscrição : 21/02/2016
Idade : 32
Localização : between life and death

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por HaSSaM em Qua Nov 30, 2016 2:00 am

off: Refeito kkkk


O homem parecia não se importar com a presença do Brujah ali dentro. Atendeu prontamente e voltou a cuidar da sua vida. Sensato. Talvez aquele bar fosse uma bom point para noites futuras, tudo iria depender se ele era esperto ou não. Afinal ir em um bar onde quebrou alguns ossos do barman não era uma boa. A TV estava no canal de Esportes. Aaron não perde muito tempo vendo o jogo, fingia dar um gole na cerveja apenas por habito. E se voltava para o Garçom. Estava na hora. A noite iria começar!

- Hey – Diz ele, mas sua voz saiu mais alto do que esperava. – Preciso fazer uma pergunta. 

Aaron esperava ele se aproximar. Analisava como ele o olharia, com medo ou com desconfiança. Qual seria a melhor tática para interroga-lo? 

- Carlo Mandrake – Diz o nome a espera que fizesse algum sentido. – Ele se envolveu a alguns dias numa confusão. Estou a procura dele, me informaram que era aqui que ele vinha todas as noites.
avatar
HaSSaM

Data de inscrição : 18/04/2010
Idade : 25
Localização : Mundo das Trevas

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por John Milton em Sab Dez 03, 2016 3:36 pm

Franchesca Sardou escreveu:

Andrea Hollow



O lacaio simplesmente assentia para sua senhora e assim ambos seguiam para o carro de Andrea deixando o Ductus para fazer sua própria parte.

O servo ia na frente, ou atrás, dependendo da preferência de sua mestra sombria, eles adentravam na garagem onde Andrea tinha no máximo quatro carros na mesma e três motos. A vampira escolhia o carro que queria para seguirem e assim Klaus abria a porta a a vampira.

Eles tomavam as ruas, o trânsito era relativamente movimentado, as pessoas estavam voltando para suas casas após um dia de trabalho, e quando não era o trânsito que atrapalhavam o seu percurso eram manifestações que obrigavam o lacaio da cainita tomar outra direção e ele tivera de fazer isso não só uma, duas, mas três vezes... Várias pessoas gritanto a todo momento, o fim da violência, o fim da corrupção, o fim de tempos negros em Berlim, o povo clamava por uma mudança rápida, uma mudança que para os mortais era de fato necessária.

Cerca de uma hora e meia, talvez mais... Eles chegavam ao que era uma outra revolta, outra manifestação à frente. Várias pessoas atiravam pedras em policiais nas ruas, pedaços de madeira e os policiais revidavam com tiros, mas provavelmente eram balas de borracha pois ninguém morria com os tiros mas realmente corriam para não levá-los e não tinha sangue, ao menos não ainda. Mais ao fundo, atrás dos policiais que tentava afastar as multidões haviam algumas casas e coincidentemente ou não, dentre alguma daquelas casas deveria o número marcado do endereço do policial Wilfried.

Andrea via que realmente sua situação apenas ficava mais difícil pois antes de passar por policiais, era preciso passar primeiro pelas multidões furiosas e policiais preparados para uma investida coletiva.


Rolagem:
2016-11-24 16:07:23 Andrea Hollow rolls X dice to Alguma coisa (Diff 5) [failure]

A lassombra acompanhava, ao vivo, as revoltas que ocorriam na cidade e sentia na própria pele, uma vez que demorara demais para chegar ao seu destino e via as massas se assomarem.

Ela estava dentro de uma panela de pressão prestes a explodir.

Andrea analisando tudo aquilo questuiona a seu Carniçal.

- Existe alguma forma de estacionar atras da casa?
avatar
John Milton

Data de inscrição : 13/10/2016

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Guerras Vampirescas: Capitulo I - O Chamado de Zillah

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum