Ficha Humano - Dylan "Bob" Petterson

Ir em baixo

Ficha Humano - Dylan "Bob" Petterson

Mensagem por Outis em Qui Jan 28, 2016 7:59 pm

1. Dados

Nome: Dylan
Personagem: Dylan "Bob" Petterson
Clã:
Natureza: Sobrevivente
Comportamento: Gozador
Geração:
Refúgio:
Conceito: Curioso do oculto e da vida em geral

Saldo de XP: 57/59


2. Atributos

Físicos 3
- Força: 2
- Destreza: 2
- Vigor: 2

Sociais 4
- Carisma: 3
- Manipulação: 3 (5PB)
- Aparência: 2

Mentais 6
- Percepção: 3
- Inteligência: 3
- Raciocínio: 3


3. Habilidades 13/9/5

Talentos 13
- Prontidão: 2
- Esportes: 1
- Briga: 2
- Esquiva: 1
- Empatia: 2
- Expressão: 2
- Intimidação:
- Liderança: 1
- Manha:
- Lábia: 2

Perícias 5
- Empatia c/ Animais:
- Ofícios:
- Condução: 1
- Etiqueta: 1 (2PB)
- Armas de Fogo: 1
- Armas Brancas: 1
- Performance: 1
- Segurança:
- Furtividade:
- Sobrevivência: 1

Conhecimentos 9
- Acadêmicos: 2
- Computador: 1
- Finanças: 1 (2PB)
- Investigação: 1
- Direito: 3
- Linguística: 1 (Espanhol)
- Medicina:
- Ocultismo: 2(2xp)
- Política: 1 (2PB)
- Ciências:


4. Vantagens

Antecedentes 5+2PB

Aliado - 2 (Harold Banks)
Recursos - 3
Contatos - 2




Disciplinas




5. Virtudes

Virtudes 7
- Consciência: 3
- Autocontrole: 4
- Coragem: 3

Humanidade: 7

Força de Vontade: 6 (3PB)


Qualidades

Introspecção (1 ponto)




Defeitos

Sono Pesado (1 ponto)
Impaciente (1 ponto)




Observações

Contatos:

- Talles ("Mago" Wicca)
- Carl Smith (Policial escrivão)

Aliado:

- Harold Banks (Advogado renomado e ex-chefe)

Língua materna: Inglês

Aparência Física: 1,71m, olhos e cabelos castanhos, caucasiano, musculatura normal, leve barriga de chopp. Tem sempre olheiras suaves.

Itens: Aparelho Smartphone e Bastão retrátil

Bastão:


6. Prelúdio

Meu pai era um homem honesto, honrado e gentil, dizem hoje os que antes eram próximos a ele, detre eles minha mãe. Esta que me criou sozinha e com quem mantenho contato até hoje por ter desenvolvido uma ligação muito forte.

Meu pai era um policial em uma época de polícia que além de corrupta era pior equipada que hoje. Policiais ainda eram heróis. Da família dele tenho dois tios e dois primos na polícia, porém não tenho muito contato com este lado da família, pois minha vida foi cheia de reviravoltas desde o princípio e quando eu tinha alguns meses de vida meu pai foi ceifado desta vida me deixando órfão.

Minha educação nos primeiros anos foi dada por uma senhora cinquenta e alguns (minha avó) e uma moça de 19 anos.
Passamos por momentos difíceis em nossas vidas. Nos viramos como podíamos pois minha avó era de família bem abastada, porém por ela ser pródiga a nossa pequena chance de uma vida confortável foi gasta com rapidez em bobagens e pequenas tentativas de “próprio negócio” mal planejadas.

Me mudei duas vezes antes de minha avó morrer e mais seis depois da morte dela até hoje.

Não criava raízes em nenhum lugar mas sempre deixei muitos amigos pelo caminho. Pessoas que sei que me receberão de braços abertos onde quer que eu vá.
Minha adolescência não foi tão empolgante ou cativante. Eu era uma criança que brincava sozinha por não ter irmãos e então eu cresci um pouco e me tornei um adolescente que adorava jogos, pois eles traduziam minha imaginação em imagens e sons vivos. Tive amigos que gostavam das mesmas coisas, da mesma idade ou mais velhos, não importava, eu era um clássico nerd e meus amigos tinham os mesmo gostos que eu. Os estudos eram fáceis e eu não me esforçava pra ser um dos melhores, ao menos era o que eu achava, na verdade havia algo escondido em mim que eu só saberia anos depois quando fosse um jovem adulto. Eu não era um gênio, mas estava acima da média. Era talvez a única coisa que podia me gabar pois eu não era um “pegador” nem era rico nem nada, não havia nada de especial em mim. Entre minhas habilidades extracurriculares estavam o xadrez, as aulas de bateria, artes marciais e esgrima, claro que eu os pratiquei em diferentes momentos da minha vida e nunca por mais que um ano e meio. Esportes com bola não me atraiam muito, sempre preferia artes marciais, ainda que eu não tenha alcançado se quer um grau médio em nenhuma eu conheci muitas e me tornei um aficionado por lutas e armas brancas e de fogo. Só um hobby, claro. Outra faceta minha foram os estudos de ocultismo. Religiões são muito ricas desde as pagãs até o espiritismo, que me chamava a atenção desde muito pequeno pois minha família nutre grande fé nas doutrinas espiritas europeias de Kardec, isso e o relacionamento amoroso que tive com uma médium ainda na adolescência me levaram a aprender sobre espiritualidade em geral e literalmente entrevistar pessoas em busca de conhecimento cada vez mais difícil de ser encontrado. Eu tinha problemas de concentração para leitura, eu não sabia, mas eu tinha um transtorno psicológico que se mostrou muito forte aos 18 anos. Eu sofria de um misto de Depressão e Ansiedade, mesmo que não fossem as doenças propriamente ditas e os sintomas fossem mais brandos eu ainda os sentia e sinto e uma das coisas que me atrapalhavam eram na concentração ao ler, mas não em ouvir. Me tornei um aluno dependente de aulas mas isso não foi o suficiente e fracassei no vestibular, mesmo assim minha mãe com o pouco dinheiro que ganhava custeou meus estudos no curso de Direito, pois ela não queria que o filho se tornasse policial, um desejo meu que nunca realizarei.

Já no fim da adolescência eu fiquei diferente e me tornei mais sociável, mesmo que isso me machucasse mais e mais. Me tornei mais manipulador e a doença me forçava a saber esconder meus sentimentos e intenções. Exercitei o autocontrole inúmeras vezes para não sucumbir aos efeitos nefastos dela. Não era um sedutor mas era convincente e um bom mentiroso. Todos meus relacionamentos amorosos começavam por eu me aproximar das pessoas e me tornar íntimo, como eu disse anteriormente não era um sedutor porém nada me impedia de ser um bom ouvinte e cativar mulheres de outra forma.
A memória de meu pai me levou a buscar ser uma pessoa correta e gentil como ele fora, isso se tornou meu “modus operandi” e por fim eu sempre fui querido pelos que me cercavam. Minhas habilidades sociais e de comunicação nunca foram um problema, é que quando se é criança/adolescente você sofre bullying e exclusão de outros grupos, mas entre os adultos eu sempre fui muito influente, na idade adulta isso só se ampliou e obter vagas em entrevistas de emprego não eram difíceis. Conversar com estranhos em um bar era algo trivial. Meus estudos paralelos além de ocultismo passaram a ter psicologia comportamental como tópico principal. Entender como as pessoas pensam e sentem se tornou um mistério e conhecer esses mecanismos da psique humana passaram a me fascinar tanto quanto as crenças em espíritos e seres místicos.

Dentre muitas pessoas com quem conversei, um autoproclamado "bruxo" wicca de nome Tales, vem me sendo muito útil me indicando novasa fontes de pesquisa e discutindo alguns assuntos comigo.

Hoje trabalho em um bom escritório de advocacia e continuo com meus hobbys mais comuns e com os mais estranhos também. Um escrivão da polícia me indica um caso ou outro na área criminal e eu pego os casos quando quero algum desafio, meu ex-chefe Harold, também vem sem mostrando muito útil e sempre me ajuda com algumas teses e até indica alguns clientes quando não é a área principal do escritório dele. Minhas crises de depressão vem e vão como as ondas na praia mas eu continuo resistindo, hoje é mais fácil por entender como tudo funciona e pelo fato de tomar meus medicamentos em dia, a terapia também tem ajudado.


7. Banco de Dados
avatar
Outis
Administrador
Administrador

Data de inscrição : 24/04/2010
Idade : 27
Localização : Califa

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum