Emilio Amorialle | O Corvo Empalador - Sabá

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Emilio Amorialle | O Corvo Empalador - Sabá

Mensagem por Papa Paradise em Qui Dez 27, 2012 3:26 pm

Dados

Nome: MacDowell
Personagem: Emilio Amorialle || O Corvo Empalador
Clã: Assamita AT
Natureza: Competidor
Comportamento: Soldado
Geração: 8ª
Refúgio: QG “Comunitário” | Base Temporária (Frigorifico)
Conceito: Espada de Caim
Saldo de XP: 122/123
(Ficha Ancillae: 75xp, Atributo: 8xp, Habilidade: 2xp, Disciplina: 35xp, Virtude: 2xp)

___________________________________________________________________________________________________________________

Atributos

Físicos [9]
- Força: 3 (5pb)
- Destreza (Veloz, Preciso): 5
- Vigor (Determinado, Incansável): 5

Sociais [4]
- Carisma: 2
- Manipulação (Persuadir): 4
- Aparência: 2 (4xp)

Mentais [6]
- Percepção (Atento): 4
- Inteligência: 2 (4xp)
- Raciocínio (Instintivo): 4

___________________________________________________________________________________________________________________

Habilidades

Talentos [16]
- Prontidão: 1
- Esportes (Arremessar): 4
- Briga (Imobilizar): 4
- Esquiva: 1
- Empatia: 1
- Expressão:
- Intimidação: 2
- Liderança: 1
- Manha: 1
- Lábia: 1

Perícias [11]
- Empatia c/ Animais:
- Ofícios (Mecânica): 1
- Condução: 1
- Etiqueta:
- Armas de Fogo: 2 (2xp)
- Armas Brancas (Estacas): 4
- Performance:
- Segurança: 1
- Furtividade: 2
- Sobrevivência: 1

Conhecimentos [7]
- Acadêmicos: 1
- Computador:
- Finanças:
- Investigação: 2 (2pb)
- Direito: 1
- Linguística(Inglês):
- Medicina: 1
- Ocultismo: 2
- Política: 1
- Ciências:

___________________________________________________________________________________________________________________

Vantagens

Antecedentes [8]
- Geração: 5
- Recursos: 1
- Mentor: 2
- Status no Sabá: 1 (1pb)
- Status na Mão Negra: 1 (1pb)

Disciplinas [6]
- Ofuscação: 2 (5xp)
- Potência: 3 (15xp)
- Quietus: 4
- Rapidez: 2 (15xp)

Virtudes [7]
- Consciência: 2 (2xp)
- Autocontrole: 4
- Coragem: 5

___________________________________________________________________________________________________________________

Virtudes

Humanidade: 5

Força de Vontade: 6 (1pb)

___________________________________________________________________________________________________________________

Qualidades e Defeitos
- Disciplina Adicional (Potência) (-5)
- Imunidade ao Laço de Sangue (-3)
- Frieza Logica (-1)
- Ambidestro (-1)
- Visão Aguçada (-1)

- Inquebrável (+3)
- Ferimento Exposto (+2)
- Imagem sem Reflexo (+1)

Observações
-Equipamento:
- Estacas || Facas de arremesso com lamina de madeira (Dano: Força+1, Ocultabilidade: Bolso) || Facas de arremesso (normal)|| Garrote de Bolso || Lacre de aço para a boca || Algema Reforçada ||
- Adaga Ornamentada (Dano: Força+1, Ocultabilidade: Bolso)
- Besta Moderna (Dano: 5, Ocultabilidade: Sobretudo, Alcance: 20)

Adicional (Usado somente em excursões):
- Veste Balística Média (Absorção de Dano – Contusão: 2, Letal: 1, Balística: 2, Penalidade: 1)
Obs:Este modelo vem projetado expressamente para roupas de combate e incorporam uma variedade de bolsos para rádios, pentes de munição extra e outras ferramentas de trabalho.
- Steyr AUG (Dano: 7, Alcance: 200,CdT: 21, Capacidade: 42+1, Ocultabilidade: Sobretudo)
- Mira Telescópica usada na AUG.

___________________________________________________________________________________________________________________

Prelúdio

Nove Meses

Amorialle nasceu no inicio da década de 60. Sua mãe, Cherry, imigrou da França e após chegar à América começou a trabalhar em uma casa noturna. Foi lá que ela conheceu Alfonso Amorialle, um tipo mafioso que se encantou com a beleza da francesa. Quando ela falou esta gravida dele, o mafioso deu para sumir no outro dia. A gravidez não saiu bem e Cherry morreu logo após da à luz.

Orfanato

No orfanato, cresceu de forma relativamente fora do estereotipo de vida difícil. Tinha comida e cama, no resto do tempo escola integral. Sem frescura quanto a ter uma família, Emilio sentia-se satisfeito com seus colegas e responsáveis que trabalhavam no orfanato, que no final, era a melhor família que ele um dia teria.

Na adolescência gozava de certa liberdade, trabalhando nos tempos livres na oficina de um conhecido. Na escola, longe de ser o melhor aluno, mas era um bom atleta. A noite ainda participava das aulas de artes marciais direcionadas aos órfãos da região.

Quando obteve maior idade, não perdeu tempo e se alistou. Durante 4 anos ele serviu sem muito contentamento. Tal foi à infelicidade que ele abandonou o exercito preferindo ser segurança de boate, o que já fazia quando sobrava tempo. Graças a deus para ele, porque foi em uma noite no serviço, após ter colocado para fora dois baderneiros, que um desconhecido chegou até ele, convidando-o a conhecer e quem sabe fazer parte de um grupo único. O “salario” proposto seria maior do que 6 meses de trabalho como segurança. Foi fácil para Emilio aceitar. Pelo que o “recrutador” explicou , parecia algo relacionado com o governo, mas extraoficial, um grupo paramilitar que lidava com a sujeira do país....[Trouxa]

Mãos sujas de Sangue

Emilio foi levado para uma propriedade ao norte. Dentro, uma casa mediana era cercada por uma floresta, daquele ponto em diante o “recruta” foi levado para dentro da mata por uma longa trilha. Chegando no acampamento Emilio conseguia ver mais 14 outros homens, sendo três “oficiais” e o restante aparentando ser recrutas como Emilio o era. Dali cada recruta foi finalmente informado de que o treinamento começaria a parti daquele momento. Os outros recrutas eram homens brutos e alguns detentos que sumiram de suas respectivas prisões. A escoria da sociedade era isso que Emilio e os outros eram. A ficha de que algo macabro estava acontecendo so caiu quando amanheceu e o grupo percebeu que dois dos onze recrutas sumiram e os homens responsáveis pelo treinamento e supervisão também. O grupo ficou ali, parados, jogando conversa fora, esperando pela volta dos oficiais. Talvez aquilo fosse um teste inicial de paciência. Enfim, somente no entardecer que os quatro “oficiais” voltaram para iniciar treinamentos  físicos pesados e com intolerância ao erro tratada com brutalidade acima do normal, até mesmo para um grupo de fanáticos militares. Perto do amanhecer os oficiais gargalhavam para fora frases motivacionais ‘Condenados a morte’ eles gritavam até sumirem correndo para dentro da mata. E na cabeça dos recrutas pairava o arrependimento ‘onde foi que nos metemos’.

Naquela manha, um recruta dizia não aguentar mais aquilo e convenceu outro a voltar seguindo a trilha. O resto, incluindo Emilio, talvez pensasse ser uma técnica para pressão piscologica por parte dos oficiais. Tolos.

No final da tarde os “oficiais” chegaram, mais assustadores do que antes. Sem as fardas e com roupas customizadas, colares de ossos e orelhas, e olhares assustadores como os dos predadores. Eles não mais falavam e no lugar disso empurravam os recrutas como bonecos, revelando suas forças ao quebrar barras de ferro do acampamento como se fossem palitos. Depois da performance estava claro para cada um ali que eles não eram humanos e que nada podiam fazer contra a vontade, imponência e força das feras, pois eles não respondiam mais aos pedidos, propostas e ameaças feitas pelos recrutas assustados. Emilio e alguns poucos recrutas foram obrigados a cavar, cada um, uma cova funda, que demorou mais de uma hora para ficar do jeito que os predadores desejavam. Quando o ultimo punhado de terra foi removido do buraco um dos monstros finalmente (ou seria infelizmente) começou a falar como um padre falaria para os seus fieis. Emilio escutava, mas não entendia muito bem do que se tratava. Parecia algo como uma seita satânica... sim deveria ser isso. Quando o orador terminou de falar as ultimas palavras, as outras feras gritaram “amem” e como uma cobra dando o bote, atacaram cada um que tinha cavado a cova... Estranhamente Emilio sentiu naquele momento uma dose de medo e prazer que foi diminuindo conforme percebia que sua vida, seu sangue, esvaia-se...

Transição

Jogado na cova Emilio morreu... Para nascer outra vez. Cavando uma saída por entre a terra, correndo daquilo que deixaria para trás naquele buraco, sua vida, seu insignificante passado. Ele se esforçava para sair de sua cova e quando colocou a cabeça para fora viu fogo e ele temeu o fogo com toda sua entranha. Encolhido no buraco ele esperou... Quando o fogo abaixou ele pulou para fora da cova e viu os outros três recrutas saírem de suas tumbas e antes que pudesse ver mais alguma coisa sentiu uma forte pancada na cabeça... Quando recordou a consciência viu os outros “recrutas” ao chão e nada dos agressores além de um único e imponente membro com uma grande flauta tribal. Este, quando viu que todos estavam acordados, parou de tocar e falou apontando para as arvores atrás deles “Bebam daqueles que não morreram”. Quando se viraram, lá estavam os outros quatro recrutas que não haviam cavado suas covas, amarrados nas arvores e quebrados, quase inconscientes. Guiados pela fome uns foram imediatamente aos seus respectivos “lanches”, Emilio foi o ultimo a sorve de uma das fontes... Náusea e prazer ele sentiu enquanto o doce líquido descia por sua garganta. Quando ele terminou e olhou em volta lá estavam todos os outros “raptores” para continuar o rito de iniciação. O mesmo “sacerdote” de antes apareceu, agora, com uma taça grande contendo o liquido vermelho que cheirava mais doce do que o de apouco. “Tomem do Valderie” e cada pessoa ali tomou da taça começando pelo sarcedote, passando para os outros e finalmente Emilio e os recrutas renascidos [...] O liquido queimou em sua garganta, mas fora forçado a beber.

Dançando com a Morte

Durante os primeiros anos no Sabá Emilio absorveu muito bem a politica e estrutura marcial da seita. Aquele lugar era como na selva, os fortes sobreviveriam em cima dos mais fracos. Seu senhor, Kashan, não se envolvia diretamente com a seita, ele tinha obrigações maior coordenando operações da subseita Mão Negra e apesar do nome ele não era do oriente e sim um americano de um pouco menos de 100 anos de existência. Emilio não tivera muito contato com ele, além é claro, de ordens vindas de terceiros. O bando de Emilio era formado pelos outros três recrutas e mais dois veteranos, juntos eles faziam parte no cerco das cidades da costa leste... O grupo não durou para sempre. Dos 6 membros, três se foram logo nos primeiros cercos, mas os que sobreviveram foram iniciados na Mão Negra.

Depois dos ritos, Emilio passou a receber ordens diretas de Kashan, auxiliando nas operações de reconhecimento e cercos.

É sabido ainda que Emilio não fora bem instruído sobre os costumes do seu clã de origem, sabendo de coisas bem superficiais da estrutura do mesmo. Ainda, depois da Quebra da maldição, seu senhor e o corpo principal Assamita da Mão Negra não abandonaram a seita, mas ainda assim houve um grande êxodo de outros importantes anciões e lideres para a fortaleza no oriente.

___________________________________________________________________________________________________________________

Banco de Dados

Saldo de XP: 122/123
avatar
Papa Paradise

Data de inscrição : 11/08/2011
Localização : São paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum