Leah R. Labelle - Ventrue

Ir em baixo

Leah R. Labelle - Ventrue

Mensagem por joan silvergate em Qua Mar 17, 2010 2:21 pm

Nome: Lívia M.
Personagem: Leah R. Labelle
Clã: Ventrue
Seita: Camarilla
Natureza: Autocrata
Comportamento: Bon Vivant
Geração: 9ª
Refugio: Apartamento em edifício no centro (1º andar)
Conceito: Ambiciosa

Defeito do clã: Somente se alimenta de homens jovens (menos de 25 anos)


ATRIBUTOS

Físicos
- Força: 1
- Destreza: 3
- Vigor: 2

Sociais
- Carisma: 5 (Graciosa e Distinta)
- Manipulação: 1
- Aparência: 4

Mentais
- Percepção: 2
- Inteligência: 3
- Raciocínio: 3


HABILIDADES

Talentos
- Prontidão:
- Esportes:
- Briga:
- Esquiva:
- Empatia: 3
- Expressão: 2
- Intimidação: 4 (Chantagem)
- Liderança:
- Manha: 2
- Lábia: 3

Perícias
- Empatia c/ Animais:
- Ofícios:
- Condução: 1
- Etiqueta:
- Armas de Fogo: 2
- Armas Brancas:
- Performance: 2
- Segurança:
- Furtividade:
- Sobrevivência:

Conhecimentos
- Acadêmicos:
- Computador:
- Finanças:
- Investigação:
- Direito:
- Lingüística: 3 (Francês, Espanhol, Português, Inglês e Alemão)
- Medicina:
- Ocultismo: 3
- Política: 3
- Ciências:


VANTAGENS

Antecedentes:
Geração 4
Recursos 2
Rebanho 1 (Pequena república estudantil masculina, composta de 3 universitários)
Status 1


Disciplinas:
- Presença: 5

-------------

Virtudes
- Consciência: 2
- Autocontrole: 3
- Coragem: 5


HUMANIDADE: 5

FORÇA DE VONTADE: 7

PONTOS DE SANGUE: ??? / 14


QUALIDADES:

DEFEITOS:
Excesso de Confiança
Segredo Sombrio (Assassinou o próprio senhor)
Fobia Leve (Mar)
Sono pesado
Inimizade de um clã: Gangrel


ITENS E EQUIPAMENTOS


Prelúdio:


Você quer saber qual a minha história? É isso? Pois bem, acho que posso te conceder esse desejo, já que você foi tão bonzinho comigo a noite toda. Mas espero que você saiba o que está pedindo.

Eu, como bom clichê que sou, nasci em Lyon, na França, no início do século XX. Sabe, as coisas não eram fáceis para minha família naqueles tempos. Meu pai era um pobre miserável que trabalhava 16 horas por dia em uma fábrica qualquer, minha mãe passava a manhã toda costurando para as madames da região. Eu e outra irmã – que Deus a tenha – vendíamos bugigangas nas praças. Era uma grande miséria. Odiava aquela vida.

Para não morrer de fome, eu desde cedo aprendi a explorar meus, digamos, dotes. Eu sempre soube que era mais bonita do que as outras meninas. Mesmo vestindo um monte de trapos, os homens não tiravam os olhos de mim - e isso porque eu tinha apenas 12 anos de idade. Homens sempre foram nojentos. Então eu me aproveitava dessa situação e, em troca de sentar no colo de alguns senhores no bar da região ou de flertar com alguns estrangeiros mais estúpidos, eu ganhava um prato de sopa ou um pedaço de pão. Não tinha nenhuma vergonha disso, só pra constar; precisava comer e, nesse tipo de situação, você faz absolutamente tudo para sobreviver. Presumo que um menininho rico como você nem deve conseguir imaginar o que é dormir com nada na barriga.

Bem, mas como miséria pouca é bobagem, meus pais morreram quando eu tinha 16 anos, em um incêndio que destruiu todo nosso bairro. Acho que foi algum menino brincando com um balão de ar quente, mas sinceramente não me lembro mais. Nunca gostei muito dos meus pais mesmo, já que eles eram os responsáveis pela minha situação, então nem chorei muito. Eu só lamentei que todas as economias da família estavam naquele barraco que a gente chamava de casa. Ou seja, de miserável, eu passei a paupérrima em uma tarde. Triste, não acha?

Para sobreviver, larguei minha irmã de lado – afinal, não podia ficar cuidando de mais uma boca – e me juntei a um lugar onde eu sabia que meus talentos seriam valorizados. O bordel de Madame Cici – não, esse não era o nome dela, mas ajudava nos negócios. Hoje em dia chamam isso de marketing – foi minha casa nos 6 anos seguintes e lá, com um pouco de perícia lábia e lábios com muita perícia eu cheguei ao comando do local. Dona Cici, pobrezinha, faleceu e deixou tudo em minhas mãos, sua melhor pupila. Um ano depois, eu tinha transformado aquele local no mais bem freqüentado da cidade. Não havia um homem da alta sociedade que não havia dormido com uma das minhas garotas.

Foi justamente nesse período de ascensão que ele apareceu. Um senhor que parecia já ter passado dos seus quarenta anos, muito bem apessoado, e que me chamou a atenção pelo tempo que despendia com a minha pessoa. Você precisa entender que eu já não dormia mais com nenhum dos fregueses, estava muito acima disso. Mas ele era persistente e havia algo nas palavras e nos gestos dele que me deixaram completamente seduzida. No final da noite eu já estava em sua cama. E nesta mesma noite, eu bebi seu sangue pela primeira vez.

A partir daí, eu passei quase um ano servindo-o como uma carniçal. Eu fornecia uma série de informações que somente minhas meninas poderiam saber, ele me contava tudo sobre esse universo novo que eu havia acabado de descobrir. Acho que justamente por ele se sentir sempre tão sedutor que eu pude usar meu charme nele e o mesmo nem desconfiar. E foi justamente com esse charme que eu consegui convencê-lo a me transformar em uma criatura da noite. Eu queria mais do que ser uma mera dona de um bordel ou uma mera francesa idiota, e me tornando uma cainita eu sabia que poderia conquistar esse objetivo.

Depois de me tornar uma Ventrue – e de ter que usar muita da minha aptidão natural para sobreviver em um clã que insistia em me julgar “inapropriada” – a vida não melhorou muito. Eu era usada pelo meu senhor para seus objetivos e não tinha qualquer independência. Somente quando eu o matei – sim, eu fiz isso e hoje não tenho mais porque negar. Eu precisava da minha liberdade e ele estava me cansando. Só não comente com os anciões. Eu falei que foi legítima defesa e eles pelo menos fingiram acreditar – que eu pude conquistar meu espaço.

Não muito tempo depois eu fui enviada em uma missão suicida para obter algumas informações de anciões Gangrel. Eles não falaram nada, mas para mim era bem claro que alguns anciões ainda imaginavam que eu havia matado o meu senhor sem qualquer motivo razoável e essa era uma forma bem adequada de me punir por isso. Provavelmente imaginavam que eu seria trucidada. Tolos. Eu não só sobrevivi, como eu completei minha missão em menos de 1 semana. Foi o bastante para ganhar algum respeito do clã. E o ódio dos Gangrel. Eles não são mmuito fãs de compartilhar seus segredos. Eles gostam de bancar os misteriosos, sabe?

Hoje, como eles passaram a valorizar o meu trabalho, eu basicamente vivo rodando o planeta cumprindo esse tipo de missão para o clã. Se alguém sabe do meu crime, eles preferem não comentar e eu vivo com o meu segredo bem guardado. Eu imagino que alguns ainda tenham a intenção de me matar, mas nem me importo. Cada informação obtida, cada inimigo destruído, cada ancião seduzido é um passo a mais na minha caminhada rumo a um Principado ou, quem sabe, a um posto como Justicar. Eu tenho a paciência e a determinação necessária para chegar até lá e então, quando o fizer, ninguém mais vai ousar questionar o meu passado.

E isso é tudo, pelo menos de forma resumida. Agora? Bem, querido, agora eu vou ser obrigada a te matar. Não posso deixar você sair por aí sabendo de todas estas informações. Mas não se preocupe. Nessa eternidade o que eu realmente aprendi é ser delicada. Feche os olhos e relaxe...



BANCO DE XP


BANCO DE DADOS


Ultima Atualização:
avatar
joan silvergate

Data de inscrição : 08/03/2010
Localização : Nova Iorque

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum